Morreu João Justino, antigo presidente da Câmara de Sintra

Empresário, afastado da presidência da câmara em 1992, morreu nesta segunda-feira aos 83 anos.

O comendador João Francisco Justino, administrador da empresa Galucho e antigo presidente da Câmara de Sintra, morreu nesta segunda-feira aos 83 anos no Hospital da Luz, em Lisboa, confirmou à Lusa fonte próxima da família.

"O concelho e o país perderam um grande empresário, a quem Sintra e a economia nacional muito devem", afirmou à agência Lusa o actual presidente da Câmara, Basílio Horta (PS).

O autarca vai apresentar na terça-feira um voto de pesar pelo falecimento do empresário, que presidia "a uma empresa muito importante para Sintra e para o país" e expressou "pêsames pessoais e em nome da câmara aos familiares" de João Justino.

O empresário desenvolveu actividade na área imobiliária e da banca, com participações em instituições financeiras como o Banco Espírito Santo, o BCP ou o Banif.

A Mundincenter, proprietária de espaços comerciais como o Centro Comercial das Amoreiras e Oeiras Parque, e o Centro Comercial Fonte Nova, em Benfica, também faziam parte dos investimentos de João Justino.

Nos últimos anos, o empresário assumiu a presidência da Galucho, cuja fundação remonta a 1920, a partir de uma "oficina familiar em São João das Lampas, [que] cedo se especializou no fabrico de arados e charruas de tracção animal, carroças e carros de bois", informa a página na Internet da empresa.

Por proposta do ex-presidente da Câmara, Fernando Seara, a autarquia atribuiu à Galucho, em 2012, a medalha de mérito municipal, grau ouro, na classe empresas, pela relevante actividade, "designadamente pela dinamização da economia local, pela criação de postos de trabalho bem como pelo importante papel ao nível das exportações".

O empresário já tinha sido distinguido em 1980 com a comenda de Mérito Agrícola e Industrial pelo então Presidente da República, Ramalho Eanes, e a Câmara de Sintra atribuiu-lhe, em 1985, a medalha mérito municipal, grau ouro.

Eleito presidente da Câmara de Sintra, numa coligação PSD/CDS-PP, João Justino foi afastado em 1992 do cargo por uma decisão do Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa, devido à prática de irregularidades processuais.