Uma máquina chamada Franz Ferdinand e o desarmante Mac DeMarco

Os Franz Ferdinand deram um concerto em modo best-of e inflamaram a multidão (literalmente). Mac DeMarco não deu um concerto, promoveu um encontro e acabámos todos juntos com ele, com as suas canções, com a sua saudável loucura. 26 mil espectadores num segundo dia de Paredes de Coura em que também se destacaram Thurston Moore ou Thee Oh Sees.

Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Seasick Steve Paulo Pimenta
Fotogaleria
Seasick Steve Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Thurston Moore Paulo Pimenta
Fotogaleria
Mac DeMarco Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
O vocalista de Franz Ferdinand Paulo Pimenta
Fotogaleria
Franz Ferdinand Paulo Pimenta
Fotogaleria
Crowdsurfing em Paredes de Coura Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Tudo corria dentro da normalidade. Mac DeMarco canta uma versão muito peculiar de Jammin', o clássico de Bob Marley. Uma rapariga chamada Filipa está a seu lado, mãos tapando a expressão do rosto, entre a felicidade e a timidez de estar ali, exposta perante milhares. O concerto está no final e já está uma dezena em palco a acompanhar a banda, miúdos dançando e cantando e abraçando mais uma das canções do canadiano. Miúdos e miúdas em palco com Mac DeMarco (e um homem-crocodilo). Repetimos: um homem-crocodilo (a beber whiskey pela garrafa enquanto a música continuava). Tudo normal.

É apenas mais um dia de festival, o segundo de Paredes de Coura, quinta-feira. Uma banda escocesa com muito traquejo faz com que levante o pó no círculo de mosh. De tempos a tempos, chamas vermelhas irrompem entre a multidão. Tochada no concerto de Franz Ferdinand, o mais celebrado de quinta-feira? Tudo normal. “É o inferno de Coura”, poderia ter exclamado um adepto benfiquista mais entusiasmado com o que via e ouvia. Tudo normal? Não, não foi apenas mais um dia de festival.

Com 26 mil espectadores presentes na zona da Praia Fluvial do Taboão, no dia em que o Vodafone Paredes de Coura começou a funcionar em pleno com os dois palcos abertos à música, o festival minhoto foi, utilizando uma terminologia técnica, “um fartote”. Os Franz Ferdinand trouxeram os êxitos todos e uma força vital intocada (rock’n’roll anfetaminado e melodia pop vestida para matar). Mac DeMarco assinou um concerto para guardar na memória: foi terno, desafinado, trôpego, sincero e sem artifícios. Foi o cantor dono de um humor nonsense que mitifica pela desmistificação – e o público juvenil, muito juvenil, que este ano compõe grande parte da assistência há-de guardar este concerto na memória e no coração.

Neste Paredes de Coura que parece encaminhar-se para uma das maiores afluências da sua história, fomos açoitados pela vertigem eléctrica dos Thee Oh Sees, a banda de John Dwyer que maltrata toda a história do rock’n’roll com uma intensidade e com uma urgência que só pode ser amor. Concerto assombroso no palco Vodafone FM: a guitarra de mil riffs e mil sons, a secção rítmica a acelerar o ritmo quando cresce a intensidade eléctrica, John Dwyer a interromper I come from the mountain quando de uma invasão de palco, recriminando o segurança que não percebe o rock’n’roll e que quase esganara o pobre homem que subira a palco para partilhar toda aquela energia, a banda recomeçar onde parara. Um concerto dos Thee Oh Sees são os MC5 e Sun Ra unidos num filme de sci-fi série B, são o rock’n’roll como desejamos que seja: um magma eléctrico cuspido sem cessar – ninguém sai ileso, ninguém faz, actualmente, o que esta banda faz.

Neste dia, quinta-feira, esteve também em palco ao início da noite uma lenda a mostrar as canções do álbum a solo que sairá em Outubro, Best Day : Thurston Moore acompanhado por um trio onde se destacava outro Sonic Youth, o baterista Steve Shelley, mostrando no palco secundário uma linguagem aprimorada ao longo de décadas mas interpretado com o gozo e a intenção de quem está a descobri-la pela primeira vez (pelo que se ouviu, aguardamos com expectativa o que aí virá).

O aventureiro que toca blues 


Aqui, em Paredes de Coura, um homem de 74 anos andou pela tarde a tocar blues numa serração e a elogiar raparigas. Esse homem deu depois um concerto improvisado no campismo (onde terá destacado a beleza das raparigas), e levou em seguida o seu blues eléctrico, acompanhado de baterista, ao palco principal do festival. Seasick Steve, boné na cabeça, jardineira vestida, trouxe guitarra slide, voz enrouquecida pelo tempo e pelos excessos da vida, ajoelhou-se na boca do palco para extrair mais som da sua guitarra cambada e haveria de acolher uma jovem rapariga em palco para lhe dedicar a romântica Walking blues. I’m a self sufficient man, cantava pouco antes em ritmo Chicago blues. E sim, Seasick Steve é auto-suficiente: uma garrafa de vinho, uma guitarra, o blues e raparigas bonitas ao alcance da vista. Não precisa de nada mais – e o público aprecia muito este aventureiro que iniciou carreira quase sexagenário.

O dia começou às 18h, com o blues endiabrado vindo do Barreiro de Fast Eddie Nelson (homem com vistas largas, que incluiu no alinhamento uma versão muito rockada de Come together, dos Beatles). O dia acolheu o synth-pop para iate e daiquiri dos Panama, ao início da tarde no palco principal, e, noite alta, synth-pop igualmente, este do trio escocês CHVRCHES, sintonizado nos anos 1980 de Depeche Mode ou Orchestral Manoveurs in the Dark: a vocalista Lauren Mayberry é o centro de toda a música, expurgando dores do coração em cadência pop algo genérica – o público acompanhou sem grandes manifestações, aguardando o momento que se seguiria.

O que seguiria seriam uns Franz Ferdinand com mais de dez anos de vida e quase uma dezena de passagens por festivais portugueses. Não vivem o fulgor de outrora, quando foram erguidos a banda charneira de uma renovação do espírito rock no centro da cultura de massas. Mas se não vivem o fulgor de outrora, tal só sucederá porque não temos a hipótese de ver, dia após dia, um concerto da banda.

Entraram a matar com No you girls, The dark of the matinée, Right thoughts, right words, right action e Tell her tonight. Os corpos frente ao palco são ondulação constante, há mosh e há corpos surfando a multidão, levanta-se o pó, Alex Kapranos canta sorrindo, feliz com a reacção que a música, batida funk apunkalhada, mas de groove impoluto, provoca. Não há espaço para grandes conversas, além dos “Obrigado, obrigado” da praxe. Aqueles que viram a banda nascer e se renderam a Darts of pleasure ("Ich eisse superfantastisch” como declaração de intenções), a Take me out, Michael ou Fire (aquela com que despediram do concerto, apropriadamente incendiários), canções do álbum de estreia, unem-se às gerações mais novas que os descobriram mais tarde. Todos juntos, celebram esta máquina de precisão com sentido de palco e de dinâmica de concerto inatacáveis. Reduz-se a rotação com a Kinksiana Walk away, cola-se a mais recente Stand on the horizon à clássica Auf achse e o rock ganha sintetizadores e crescendo de DJ set.

Vêem-se os Ferdinand, nos seus fatos de designer muito pop, juntarem-se à volta da bateria para o número habitual de festim percutivo. Não houve descanso: para a banda, para o público (e lá vai tochada), para os seguranças que não pararam de amparar aqueles que deslizavam do surf sobre a multidão para o fosso fronteiro ao palco. Um grande concerto, e o mais celebrado da noite. Já tínhamos saudades e nem sabíamos. O regresso dos Franz Ferdinand a Portugal e a Paredes  de Coura marcará certamente esta edição do festival. Destacou-se num dia recheado de destaques. No dia de Mac DeMarco.

Quarta-feira, estivera a tocar no Lounge, em Lisboa, integrado nos Walter TV que partilha com dois companheiros de banda. Ontem, meteu-se num comboio com direcção a norte. À tarde, andou a conviver com o público e os fãs no parque fluvial. À noite subiu a palco com o boné dos Viceroy, os cigarros a que dedicou uma canção, Ode to Viceroy, com uma t-shirt do Elton John tardio, nada cool, vestida, e foi desarmante. Arranca com Salad Days, canção homónima do celebrado segundo álbum e acolhemos aquela pop sonhadora de guitarras cristalinas e melodias ternas. Tudo está longe de perfeito: o novo guitarrista, homem da Florida, bigode e cabelo comprido hippie, desafina aqui e ali, ouvem-se um par de pregos em locais pouco desejados, mas a música sobrevive incólume: há uma transparência na presença em palco, uma ausência de ego e pretensiosismo que conquista e cativa. Ouvem-se Blue boy, Ode to Viceroy ou Let my baby stay. Até que, inesperadamente tudo muda.

O concerto acontecimento 

Mac DeMarco pede a companhia de alguém conhecedor e devoto de Bob Marley – e eis que Filipa salta da plateia para o palco. Não é bem Jammin’ que ouvimos, é a versão sketch de humor nonsense da canção. “Ponham o dedo no ar se respeitam Jah”, exclama – e há um mar de dedos erguidos em Paredes de Coura. A partir daqui, o concerto tornou-se acontecimento. Freaking out the neighborhood trouxe balanço pop muito reconfortante, Chamber of Reflections, com DeMarco nos sintetizadores, foi balada etérea entre o kitsch 80s e a modernidade do defunto chillwave. E, entre goles na garrafa de whiskey e mais gente subindo ao palco (toda a gente: “Larga esse miúdo e deixa-o subir”, berrou para um segurança mais cioso das suas funções), o concerto transformou-se numa festa deliciosamente tresloucada. DeMarco saltará para o público e será erguido nos seus braços durante longos minutos; DeMarco será abordado a meio do “surf” por um rapaz que achou que fazer o mesmo seria a melhor forma de, naquele contexto, falar com o cantor. Com ele subiria a palco. E mais viriam, incluindo o homem em fato de crocodilo, e o palco já não era da banda, era de todos. DeMarco, desgrenhado, cigarro na mão, rodeado pela dezena em palco, despede-se como crooner desalinhado: Togethe”, canta. Não foi um concerto, foi um encontro. Vimos Mac DeMarco em Paredes de Coura e levamos muitas histórias para contar.

Veremos as que se lhe juntam esta sexta-feira e sábado, dias em que passarão pelo festival Black Lips, Conor Oberst, Linda Martini, Cut Copy (sexta), Kurt Vile, Growlers, Beirut, Goat ou James Blake.