Estes jardins suspensos feitos de lona reutilizada vão a Frankfurt

Formª é o único projecto português que vai estar presente na feira internacional de design Tendence, na área de Ecostyle

Lonas e telas de publicidade são transformadas em vasos que podem ser pendurados em paredes exteriores DR
Fotogaleria
Lonas e telas de publicidade são transformadas em vasos que podem ser pendurados em paredes exteriores DR
DR
Fotogaleria
DR

Formª é o único projecto português de “ecostyle” apresentado na Tendence, uma feira internacional de design realizada em Frankfurt, de 30 de Agosto a 2 de Setembro. Carla Lopes, design e artesã da Formª, cria pequenos jardins suspensos que associam a técnica artesanal da cestaria à reutilização de lonas, ou de telas publicitárias. Para levar o seu trabalho até à Alemanha, Carla lançou uma campanha de “crowdfunding” para arrecadar dinheiro para a viagem. 

  

“A feira Tendence surgiu como a oportunidade para apresentação da Formª e lançá-la no mercado internacional”, conta ao Carla ao P3 numa conversa por email. “Após ler uma uma notícia do P3, decidi lançar o projecto para apreciação”, explica. A Tendence oferece a jovens designers a possibilidade de mostrar gratuitamente as suas criações num expositor.

O projecto tem, desde 2005, como objectivo reaproveitar as características de um material já existente para construi algo de novo, útil. O material de eleição é, neste caso, a lona publicitária. “Salvo raras excepções, a lona não é reutilizada para nada, nem reciclada, acaba no lixo, com as milhares de embalagens que utilizamos diariamente. É um material maleável e fácil de cortar que permite uma liberdade formal fantástica”, afirma a designer. Como são cortadas em tiras de diferentes dimensões, criam padrões diversificados com pontos de cor variáveis e tornam cada objecto único.

As lonas são assim transformadas em vasos que podem ser pendurados em paredes exteriores. Carla garante que os vasos Formª são de fácil montagem: basta abrir os bolsos onde se encontram as etiquetas, colocar a terra e a planta adequada à litragem escolhida e, por fim, é só escolher o local onde os pendurar. “Hoje, tudo se quer rápido e fácil, por isso optei por um sistema de ilhoses. Não são precisos livros de instruções e recomendações. É só pendurar com ganchos, cordas ou até mesmo parafusos”, esclarece a designer. 

Para além dos formatos padrão, a Formª também se pode adaptar às medidas pretendidas. “Existem já alguns formatos 'standard', para um e três litros. O formato A1 de um litro, com bolso interior de 15x20 centímetros,  permite cultivar ervas aromáticas como cebolinho, tomilho, orégãos e algumas flores de raízes pouco profundas, por exemplo”, assegura Carla. Uma peça pode custar no mínimo 15 euros, não existindo um preço máximo, uma vez que depende do formato encomendado. 

 Este empreendimento pretende criar uma ligação entre o homem e a planta e por isso, adapta-se ao espaço e à planta que se desejar, não acrescenta mais plástico ao mundo, é artesanal e por isso, cada objecto é único e irrepetível, para além de que, ocupa menos espaço do que os vasos comuns. E, como diz Carla, “não tem tecnologia, porque a natureza é para cuidar”.

Texto editado por Andréia Azevedo Soares