Torne-se perito

Locarno, entre a descoberta e a celebração

Linguagens e estilos diferentes, tributos e novidades para ver este ano no festival.

Fotogaleria
Scarlett Johansson em "Lucy", de Luc Besson DR
Fotogaleria
Uma das primeiras imagens divulgadas de "Cavalo Dinheiro", de Pedro Costa DR
Fotogaleria
"Vénus de Vison" de Roman Polanski DR
Fotogaleria
"Pão, Amor e Fantasia" de Luigi Comencini DR
Fotogaleria
"Leopardo", de Luchino Visconti, vai passar em versão restaurada em Locarno dr

Há duas dimensões diferentes a trabalhar simultaneamente no festival de Locarno. De um lado, para citar João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata, um festival “ousado” e “não alinhado”, que dá visibilidade ao cinema de autor mais radical, definido pelo director Carlo Chatrian como uma experiência de “liberdade formal e hibridização de linguagens”.

Isso vê-se numa competição oficial que não hesita em misturar linguagens e estilos muito diferentes, documentário e ficção, ensaio e experiência. Pedro Costa coexiste com o documentarista suíço Fernand Melgar, o “etno-cineasta” americano J. P. Sniadecki (oriundo do Laboratório de Etnografia de Harvard) cruza-se com o filipino Lav Diaz (cujo From What Is Before tem quase seis horas de projecção), o veterano francês Paul Vecchiali partilha espaço com o underground americano Alex Ross Perry. A selecção competitiva Cineastas do Presente abre espaço a primeiros e segundos filmes dos EUA e França mas também da Malásia, do Uruguai ou de Taiwan. E o prémio carreira é este ano entregue a um dos mais raros e influentes cineastas contemporâneos, o espanhol Victor Erice, autor de apenas três longas-metragens.

Esta dimensão de “descoberta”, mais radical e atenta, é completada por uma outra de “celebração”, mais popular e acessível, corporizada nas célebres sessões ao ar livre da Piazza Grande para 8000 espectadores. Foi neste verdadeiro cinema ao ar livre que decorreu, ontem, a abertura oficial com a exibição de Lucy, o thriller do francês Luc Besson com Scarlett Johansson no papel principal, depois de sessões “pré-festival” que mostraram Os Salteadores da Arca Perdida de Steven Spielberg ou Os 400 Golpes de François Truffaut. É lá também que vão ser mostrados As Praias de Agnès de Agnès Varda, Vénus de Vison de Roman Polanski e Sils Maria de Olivier Assayas com Juliette Binoche, todos homenageados na edição deste ano; ou a comédia A Viagem dos Cem Passos, de Lasse Hallström, com Helen Mirren; ou o esplendoroso restauro do Leopardo de Luchino Visconti.

O filme de Visconti está integrado na retrospectiva dedicada ao estúdio italiano Titanus, com a exibição de quase 50 filmes rodados entre 1922 e 1990 mas especialmente concentrada no período de ouro do cinema italiano no pós-II Guerra Mundial. Obras como Verão Escaldante de Valerio Zurlini, Duas Mulheres de Vittorio de Sica, O Pássaro das Plumas de Cristal de Dario Argento, Pão, Amor e Fantasia de Luigi Comencini, O Conto do Vigário de Federico Fellini, A Intrusa de Alberto Lattuada ou o filme colectivo Nós Mulheres com contribuições de Roberto Rossellini e Luchino Visconti vão ocupar em quase exclusividade o cinema Ex Rex. E Locarno não fecha inteiramente as portas ao glamour – entre os convidados presentes este ano estarão Melanie Griffith, Mia Farrow, Juliette Binoche, Roman Polanski ou Giancarlo Giannini.

Mas é na competição principal – que atribuiu o Leopardo de Ouro ao longo dos anos a nomes como Mike Leigh, Raul Ruiz, Jim Jarmusch, Claire Denis, Terence Davies ou Jafar Panahi e, nas últimas edições, Jean-Claude Brisseau e Albert Serra – que os holofotes vão estar assestados. E já há muitos a apostarem em Pedro Costa para vencer Locarno 2014. 

Sugerir correcção