Ana Drago e Daniel Oliveira com “muita pressa” para disputar legislativas

Militantes do Bloco, Livre e Mas foram ao debate. Houve perguntas sobre os compromissos políticos. “Com que parte do PS?” Ana Drago sorriu, mas não respondeu.

Foto
Reunião da Manifesto reuniu várias figuras da esquerda Nuno Ferreira Santos

Duas certezas para já: vai nascer uma plataforma política e eleitoral que se baterá por ir a votos já nas legislativas de 2015. E que entende que é “suicidário” excluir o PS. Um partido? Aderem ao Livre? “Vamos ver como é possível organizar esse esforço. É muito cedo para ver a forma institucional”, disse Ana Drago.

Ambos recorreram ao longo de duas horas à “urgência” do momento actual que o país atravessa para justificarem a necessidade de “uma plataforma política”, da qual o Livre e o PS são parceiros essenciais para “construir pontes”. Um “debate alargado” que não exclui ninguém, mas que não pode ficar à espera, como referiu Drago, de uma esquerda que “sustém a respiração” e espera por “um milagre europeu” ou ainda de uma outra, que acredita que o desmantelamento do Estado Social vai originar uma “ruptura política”. E, portanto, aguarda.

“Isto não quer dizer que aquilo que tenha de nascer esteja disposto a qualquer coisinha”, explicou a ex-bloquista.  “Um caminho difícil, mas acredito que é o único”, disse ainda.

Daniel Oliveira já tinha enumerado os motivos da “pressa”: emigração, falência de empresas, retrocesso da escola pública, segurança social, sistema fiscal cada vez mais injusto. “É para travar e reverter tudo isto que é necessário uma plataforma política e eleitoral à esquerda de quem tem governado. Como vocês, estou com muita pressa”, concluiu Oliveira.

Convicto de que “os compromissos se negoceiam com quem pensa de forma diferente", mas sem ilusões com o PS, “o mal menor” de quem não ignora as enormes responsabilidades dos governos socialistas no estado a que o país chegou.

A sala cheia suspirava por respostas, como se veria logo depois. Na mesa estavam também os economistas José Reis e Ricardo Paes Mamede, assim como a bióloga Filipa Vala. José Vítor Malheiros, jornalista, moderou o debate. Reis e Paes Mamede davam o sinal preciso de compromisso, respectivamente com o Congresso Democrático das Alternativas e com o Manifesto 3D.

Mas houve surpresas com militantes do BE, Livre e Mas na plateia. E perguntas: “Com que parte do PS?” Ana Drago sorriu, mas não respondeu.

Luís Pires, “activista e militante base do Bloco”, como se identificou, quis saber afinal que balanço farão quando daqui a um ano e meio – leia-se legislativas – concluírem que não mudaram a política de António Costa e de António José Seguro. “Não terão então contribuído para enfraquecer o campo da esquerda?”

Oliveira respondeu, mais à frente: “O objectivo não é mudar António José Seguro ou António Costa. Se achasse que o objectivo era esse ia para um psicólogo e não andava no combate político. Eu quero convencer os portugueses que quando digo que quero fazer parte da solução, estou mesmo a falar a sério. Pode parecer uma pequena diferença, mas é grande”.