BES contrata instituição internacional para aconselhamento financeiro

Nome ainda não foi divulgado.

Foto
Vitor Bento dirige o banco há uma semana Enric Vives-Rubio

O Banco Espírito Santo (BES) anunciou que está prestes a contratar “uma reconhecida instituição financeira internacional como seu conselheiro financeiro especializado”. Esta segunda-feira, em Seul, Cavaco Silva pronunciou-se sobre o banco e disse que os "portugueses podem confiar".

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, o banco refere que “conta poder” divulgar o nome da instituição ainda nesta segunda-feira. A contratação visa “auxiliar o banco a avaliar as oportunidades de melhorar a estrutura do seu balanço, com vista à sua optimização”. 

A comissão executiva do BES é desde o dia 14 presidida pelo economista Vítor Bento, na sequência do afastamento de Ricardo Salgado e da crise no Grupo Espírito Santo (GES). Quando entrou em funções, Bento comunicou, numa mensagem aos trabalhadores e divulgada pela instituição, que a prioridade era "reconquistar a confiança dos mercados", e frisou que o BES é "uma instituição que está capitalizada" e "assente na economia real".

Também o Banco de Portugal já sublinhou que o banco cumpre os rácios de capital exigidos e tem capital suficiente para lidar "para acomodar eventuais impactos negativos decorrentes da exposição assumida perante o ramo não financeiro do GES", afirmando que os depósitos não estão em risco.

Já nesta segunda-feira, o Presidente da República, no final da visita que está a fazer à Coreia do Sul, elogiou a actuação do Banco de Portugal neste caso. "Com a informação que tenho do próprio Banco de Portugal, considero que a actuação do banco e do governador tem sido muito, muito correcta", disse Cavaco Silva, ouvido pela RTP. O Presidente lembrou ainda que o Banco de Portugal "tem sido peremptório e categórico a afirmar que os portugueses podem confiar no Banco Espírito Santo, dado que as folgas de capita são mais do que suficientes para cobrir a exposição que o banco tem à parte não financeira, mesmo na situação mais adversa".