Festival Andanças volta ao Alentejo em Agosto e espera receber 30 mil visitantes

Durante anos, o festival aconteceu em São Pedro do Sul, Viseu
Foto
Durante anos, o festival aconteceu em São Pedro do Sul, Viseu Paulo Ricca/arquivo

Cerca de 750 artistas de diferentes países participam na 19.ª edição do festival “Andanças”, que espera receber 30 mil visitantes, em Agosto, no concelho alentejano de Castelo de Vide.

Contando com a participação de artistas oriundos de duas dezenas de países, o festival, promovido pela Associação para a Promoção da Música e Dança PédeXumbo, vai decorrer entre os dias 4 e 10 de Agosto, na zona da albufeira de Póvoa e Meadas, em Castelo de Vide.

“O Andanças não se vai ver, vai-se fazer. Venham todos para experimentar e divertir-se neste festival diferente”, desafia a coordenadora da iniciativa, Ana Martins.

O festival, que conta na parte logística com cerca de 700 voluntários e o apoio da Câmara Municipal de Castelo de Vide, tem este ano como principal tema as “Raízes”, uma vez que o Andanças quer cimentar a “proximidade” e mostrar aos visitantes as tradições e as danças tradicionais do Alto Alentejo e não só.

“Vamos procurar dar dimensão à comunidade e à programação local, com tudo aquilo que tem a ver com os projectos artísticos locais. Alargámos este projecto à zona de Portalegre e, só para exemplificar, vamos este ano ter o artesanato de Nisa, a sua olaria e os seus bordados”, avança.

Este ano, a organização optou por convidar as associações que operam no país e em Espanha na área das danças tradicionais para se responsabilizarem por cada um dos palcos do festival. “O que isto significa é que este ano vamos ter uma programação mais diversa e corremos o feliz risco de termos uma programação mais rica”, sublinha.

Outra das novidades passa por desenvolver algumas das actividades do festival fora do recinto, durante um dia, tendo o Andanças escolhido a aldeia de Póvoa e Meadas para acolher concertos, bailes, oficinas de danças e contos, entre outras iniciativas.

O festival, que permaneceu 15 anos em São Pedro do Sul, Viseu, e um ano em Celorico da Beira, Guarda, vai realizar-se pelo segundo ano consecutivo em Castelo de Vide. “Nós temos a esperança de acolher muitos espanhóis. Uma das razões de fixar este festival em Castelo de Vide tem a ver com a expectativa de nos podermos afirmar como um projecto ibérico”, declara.

No Andanças é possível aprender mais de meia centena de estilos de dança diferentes, sendo este o resultado das sinergias que se geram entre pessoas de vários pontos do mundo que se deslocam até ao festival para partilhar saberes.

Durante a iniciativa, é possível aprender e assistir a danças portuguesas, africanas, danças ao estilo americano e às diversas danças europeias, tais como húngaras, balcânicas, bascas, ciganas, bálticas, belgas, italianas, galegas, catalãs e mediterrânicas, entre outras.

O Andanças é um festival que assenta em quatro pilares: a dança/música, o voluntariado, a comunidade e o ambiente/sustentabilidade.

Criado em 1996, o evento reúne pessoas de todo o país e de vários pontos do mundo, num espírito de “partilha, encontro e práticas sustentáveis”, o que faz com que seja "procurado por todos aqueles que querem uma alternativa” aos habituais festivais de Verão.