Portugal arranca Europeu sub-19 com saldo positivo

Selecção de Hélio Sousa venceu, este sábado, Israel, por três golos.

Foto
A selecção orientada por Hélio Sousa iniciou o Europeu de sub-19 com um triunfo FPF

Num estádio com capacidade para 4000 espectadores (Pancho Arena), poucos foram aqueles que assistiram de perto à vitória da selecção nacional sub-19 contra Israel, que se estreou numa competição deste formato. Dois golos de Marcos Lopes e um de André Silva (os melhores marcadores da equipa lusa) garantiram à selecção os três pontos que ambicionava e aproximou-se do seu objectivo: apurar-se para o Mundial de sub-20.

A organização e persistência fizeram parte da equipa nacional durante a primeira parte. Embora fosse visível o bom posicionamento de Israel, principalmente no meio-campo, com Habashi e Glazer a defenderem, foi a equipa de Hélio Sousa quem se mostrou mais dominadora. Logo nos primeiros 10 minutos, Portugal causou perigo junto da baliza adversária por duas vezes, com um remate de Guzzo (Benfica) e do avançado Gelson Martins (Sporting), que saiu por cima da baliza de Gal. Israel ainda contra-atacou nos primeiros minutos, mas Portugal não deixou que o perigoso israelita Ohana (FC Ashdod) se aproximasse da baliza de André Moreira (Ribeirão).

O primeiro tempo ficou marcado pela eficácia de Gelson Martins nos passes e pela rapidez de Ivo Rodrigues (FC Porto). No lado de Israel destacaram-se Safuri (Hapoel Tel Aviv)  e Danino, que interceptaram a bola inúmeras vezes, impedindo que Portugal conseguisse chegar à grande área. Mas isso não impediu que “Rony” Lopes marcasse o primeiro golo, ao minuto 39, depois de uma assistência de Tomás Podstawski (FC Porto).

O início da segunda parte começou com uma equipa israelita mais decidida a marcar e com maior posse de bola. Weissman rematou duas vezes, mas André Moreira estava bem posicionado, defendendo ambas as tentativas. O segundo golo de Portugal surgiu no minuto 63, com um excelente remate de André Silva, que já leva um total de sete golos – seis foram apenas na fase de apuramento. Este último fez com que a selecção nacional “acordasse” e voltasse à posição dominadora que teve no primeiro tempo e “Rony” Lopes aproveita para marcar o terceiro golo português, com um espectacular remate, aos 79’, dissipando as dúvidas sobre quem iria adquirir os três pontos. Texto editado por Jorge Miguel Matias