Aplausos: Adrian Mole vai ter um musical

O espectáculo, baseado no primeiro volume dos seus diários, terá estreia em Março do próximo ano.

Foto
Além de uma série de diários em oito volumes, Adrian Mole também protagonizou três séries televisivas

Adrian Mole foi um intelectual aos 13 anos e ¾ e um namorado traído logo a seguir, na crise da adolescência. Foi um especialista em tritões com secretária no Ministério do Ambiente aos 23 (“anos amargos”, segundo o título do respectivo volume dos diários da personagem inventada por Sue Townsend) e um cozinheiro de sucesso num restaurante do Soho na fase em que a ex-namorada regressa vestida para matar como deputada trabalhista. Quando o perdemos de vista, em 2009 (as cenas que se seguem são do único volume dos diários que não teve, até à data, tradução em Portugal pela Difel), tinha 39 anos e estava de volta à casa dos pais em Leicester (coisas da crise) e à hipocondria (coisas da próstata).

Entretanto, Sue Townsend morreu em Abril – a escritora tinha 68 anos e sofria há muito de diabetes, que a foram progressivamente cegando – e Adrian Mole também. Só que não é fácil enfrentar a vida sem ele: foram 27 anos juntos, entre o negrume da depressão thatcherista de 1982 (O Diário Secreto de Adrian Mole aos 13 Anos e ¾) e o temido diagnóstico de cancro da próstata de 2009 (Adrian Mole: The Prostrate Years), com algumas armas de destruição maciça (Malvinas, Iraque, Afeganistão) pelo meio. É sobretudo difícil enfrentar a vida sem ele em Inglaterra, país de que se tornou uma espécie de herói involuntário (ou de anti-herói involuntário, se quisermos ser mais precisos), figurando exemplarmente as angústias e as alegrias da classe média empobrecida (“Somos os novos pobres”, declara com um certo orgulho Pauline, a turbulenta e ligeiramente alcoólica mãe de Adrian, logo no primeiro dos oito volumes da série). Os seus diários foram dos primeiros livros que a geração nascida no início dos anos 70 leu até ao fim, e mesmo quem não os leu encontraria a família Mole na rádio (a série começou, de resto, por ser um folhetim da BBC) ou na televisão – talvez não haja, na paisagem pop britânica dos últimos 40 anos, uma figura tão universal.

Pois bem, Adrian Mole vai ter uma segunda vida, agora como protagonista de um musical: em Março do próximo ano, o Curve Theatre, de Leicester, estreará um espectáculo baseado no primeiro dos seus diários. As audições para escolher os protagonistas já começaram e a ideia é que o elenco inclua o máximo de adolescentes da cidade onde Adrian Mole nasceu e cresceu, disse ao The Independent Pippa Cleary, que escreveu a música e as letras. Sue Townsend, acrescentou, chegou a cantá-las: a equipa por trás do musical conseguiu a aprovação da autora (“A notícia da morte dela entristeceu-nos muito. Tínhamo-la visto pouco tempo antes e foi delicioso. Felizmente já tínhamos terminado o musical há muito e ela estava muito contente com ele”).

Lançados em 1982 pela Penguin, os diários de Adrian Mole terão vendido mais de 20 milhões de cópias em todo o mundo, mas Leicester é definitivamente o lugar a que pertencem (“Não podíamos estrear em mais lado nenhum. A Sue Townsend é Leicester dos pés à cabeça”, sublinha Pippa Cleary). Ainda assim, o musical deverá fazer uma carreira posterior no West End, em Londres, replicando o próprio percurso do protagonista que aos 13 anos e ¾, encurralado entre o ardor nem sempre benigno da paixão por Pandora, as alterações de humor do melhor amigo Nigel, o bullying do skinhead Barry Kent e o péssimo feitio (e pior hálito) do reformado Bert Baxter, já se considerava um velho apesar de ainda não ter levado nada desta vida: “Acabo de reparar que nunca vi um cadáver ou um bico de maminha verdadeiro. É o que dá viver num beco sem saída.”