Fabrizio Bensch/Reuters
Foto
Fabrizio Bensch/Reuters

Pornografia tem efeito cerebral semelhante à droga

Investigadores da Universidade de Cambridge concluíram que pessoas viciadas em sexo têm o mesmo tipo de reacção cerebral, quando assistem a pornografia, que os toxicodependentes quando usam drogas

Quando uma pessoa com comportamento sexual obsessivo vê pornografia, o seu cérebro apresenta um tipo de actividade semelhante à espoletada por drogas em toxicodependentes. A conclusão é de um estudo desenvolvido por investigadores do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, recentemente publicado na revista "Plos One".

No estudo, financiado pelo Wellcome Trust, os investigadores debruçaram-se sobre a actividade cerebral de 19 pacientes do sexo masculino, afectados por comportamento sexual obsessivo (ou viciados em sexo, como são comummente designados), comparando-a com a de outros tantos voluntários saudáveis.

"Os pacientes do nosso ensaio eram pessoas com dificuldades consideráveis em controlar o seu comportamento sexual e isso estava a ter consequências significativas, afectando as suas vidas e relações", explica Valerie Voon, uma das autoras do estudo, citada em comunicado pela Universidade de Cambridge. "Em muitos aspectos, mostram semelhanças de comportamento relativamente a pacientes com vício de drogas. Queríamos ver se estas semelhanças se reflectiam, também, na actividade cerebral."

Aos participantes no ensaio foram, então, mostrados vários vídeos curtos com "conteúdo sexual explícito", ao mesmo tempo que a actividade cerebral era monitorizada. Três regiões específicas do cérebro — corpo estriado ventral, córtex cingulado anterior e amígdala —mostraram-se mais activas nos indivíduos com comportamento sexual obsessivo, quando comparadas com as dos voluntários. Essas mesmas três regiões são, também, particularmente activadas em toxicodepentes na presença de estímulos de drogas.

Contudo, e apesar das conclusões, os investigadores alertam para o facto de isto "não significar necessariamente que a pornografia é viciante". "Há diferenças claras na actividade cerebral entre pacientes com comportamento sexual obsessivo e voluntários saudáveis. Estas diferenças espelham as dos toxicodependentes", acrescenta Valerie Voon. Mas a investigação, continua, "não fornece provas de que estes indivíduos sejam viciados em pornografia — ou que a pornografia seja inerentemente viciante".

Identificada foi também uma correlação entre a actividade cerebral e a idade. Quanto mais novo o paciente, maior o nível de actividade no estriado ventral em resposta à pornografia — uma associação particularmente forte em indivíduos com aquele tipo de comportamento obsessivo. Nestes pacientes, o estriado ventral "pode ser importante no desenvolvimento de comportamentos sexuais obsessivos, de forma semelhante ao que acontece nos casos de adicção". Ainda assim, esta ligação directa precisa de ser validada, ressalvam os investigadores.

De acordo com o comunicado da universidade, um em cada 25 adultos sofre de comportamento sexual obsessivo, quer falemos de "pensamentos sexuais, sentimentos ou comportamentos impossíveis de controlar". Excessivo uso de pornografia é uma das principais características identificadas em muitas destas pessoas.

Artigo actualizado às 17h01 do dia 16 de Julho de 2014