Portugal já é o país da União Europeia onde nascem menos bebés

Estimativas demográficas do Eurostat divulgadas esta quinta-feira mostram que Portugal registou em 2013 a mais baixa taxa bruta de natalidade entre os 28 estados-membros

Foto
REUTERS/Jumana El Heloueh

Portugal já se tornou no país com a mais baixa taxa de natalidade da União Europeia. Em 2013 registou uma taxa bruta de natalidade de 7,9 crianças por mil habitantes, liderando assim o grupo de países que contrariam a tendência para o crescimento populacional da Europa a 28 que, em Janeiro deste ano, ultrapassava 507 milhões de habitantes.

Ao mesmo tempo que registou 82.787 nados-vivos no ano passado, Portugal somou 106.543 mortes, o que equivale a dizer que perdeu 23.756 habitantes, só por causa do saldo natural negativo. Esta redução agrava-se ainda por via do saldo migratório, também negativo em mais de 36 mil habitantes. Tudo somado, o país perdeu 60 mil habitantes no último ano.

No somatório dos últimos três anos, e segundo a análise divulgada ontem pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), também a propósito do Dia Mundial da População, que se assinala esta sexta-feira, a população residente em Portugal diminuiu em cerca de 145 mil pessoas.

Na análise aos indicadores dos 28 estados-membros da União Europeia, o Eurostat adianta que a população da União Europeia cresceu para os 507,4 milhões em 2013. Para este resultado conjuga-se um crescimento natural da população em 80 mil pessoas e um saldo migratório de 700 mil habitantes.
Contas feitas, em 2013, nasceram 5,1 milhões de bebés na União Europeia. A taxa bruta de natalidade desceu ligeiramente para os 10,0 nascimentos por mil habitantes (era de 10,4 em 2012). É aqui que Portugal se destaca por apresentar a taxa bruta de natalidade mais baixa (7,9).

Apesar de o Eurostat não apresentar dados detalhados sobre os 28 países para os anos anteriores, segundo o INE a taxa bruta de natalidade de Portugal em 2012 situava-se nas 8,5 crianças por mil habitantes. Era então a segunda taxa mais baixa de natalidade de toda a União Europeia. Só na Alemanha nasciam menos bebés. E, se recuarmos um pouco mais, a 1 de Janeiro de 2010, Portugal tinha a terceira menor taxa da União Europeia (então reduzida a 27 membros): 9,4 nascimentos por cada mil habitantes.

No documento do gabinete de estatísticas da UE relativo a 2013, os mais próximos de Portugal neste indicador são a Alemanha, a Grécia e a Itália (todos com 8,5) e ainda a Roménia (com 8,8). Mas enquanto Portugal não tem parado de piorar neste indicador, com uma queda consecutiva do número de nados-vivos em cada ano, Alemanha, por exemplo, conseguiu passar da taxa bruta de natalidade de 7,9 de 2010 para os actuais 8,5.

Na outra face desta mesma moeda, a Irlanda continua a destacar-se por ter uma taxa bruta de natalidade de 15 crianças por mil habitantes, a mais alta da União Europeia, seguida da França (12,3) e do Reino Unido (12,2), enquanto aqui ao lado, em Espanha, essa taxa é de 9,1 crianças por mil habitantes.

Consequentemente, nas contas de subtrair entre mortes e nascimentos, a Irlanda, a França e o Reino Unido voltam a destacar-se pelo seu saldo natural positivo, demarcando-se assim dos 13 países em que, como em Portugal, o saldo natural atingiu valores negativos.  

A gravidade da crise demográfica instalada em Portugal já fez soar todos os alarmes. Dentro de dias, a comissão multidisciplinar que o PSD de Pedro Passos Coelho encarregou, em Fevereiro passado, de elaborar um pacote de incentivo à natalidade deverá divulgar as suas primeiras propostas. O Governo também diz estar a aguardar “luz verde” de Bruxelas para financiar o trabalho a tempo parcial entre os pais com filhos pequenos, sem perdas salariais para os eventuais beneficiários da medida, e, na frente fiscal, são também aguardadas medidas de incentivo às famílias com filhos.

As projeções da população residente do INE admitem que, em 2060, Portugal poderá estar reduzido a 8,6 milhões de habitantes. Porém, este cenário pressupõe uma melhoria dos principais indicadores. Se a fecundidade se mantiver nos níveis actuais e que o saldo migratório continuar negativo, a população residente em Portugal em 2060 não deverá ultrapassar os 6,3 milhões de habitantes.


Notícia actualizada às 18h30