Mais limpa e mais completa, a Vitória de Samotrácia volta a estar exposta no Louvre

Restauro custou quatro milhões de euros, um dos quais foi conseguido numa campanha de crowdfunding.

Os últimos retoques na peça
Fotogaleria
Os últimos retoques na peça AFP
Fotogaleria
AFP
Fotogaleria
A estátua novamente exposta ao público AFP
Fotogaleria
A zona onde a Vitória de Samotrácia está exposta, aqui ainda antes do restauro AFP
Fotogaleria
A estátua antes do restauro DR

Depois de dez meses de um restauro, que custou quatro milhões, em parte financiado por cidadãos, a Vitória de Samotrácia, uma das jóias do Museu do Louvre, em Paris, voltou ao seu lugar de destaque ao cimo da escadaria que dá as boas-vindas aos visitantes do museu.

É uma das peças-chave do Louvre e durante dez meses foi submetida a uma operação de limpeza e restauro. A figura em mármore da deusa grega alada Nike, descoberta em 1863 nas ruínas do Santuário dos Grandes Deuses na ilha grega de Samotrácia, há muito que tinha perdido a sua cor e a sua estrutura também estava a precisar de ser retocada.

De acordo com os peritos responsáveis pelo restauro, esta escultura com 5,57 metros de altura e que pesa cerca de 30 toneladas não estava em risco mas era preciso recuperar algumas das suas características, visto que com os anos ganhou um tom acastanhado. Além de que a cor da escultura e da base é diferente mas com o passar do tempo já nem esta diferença era notória.

Apesar de o restauro ter sido anunciado no início do ano passado, a intervenção só avançou em Setembro com uma equipa de oito pessoas que trabalhou meticulosamente a peça grega do período helénico que representa a deusa da vitória, cuja feitura remonta a cerca de 190 anos antes de Cristo e que assenta numa base em forma de proa de navio.

No que à limpeza diz respeito, o objectivo era recuperar "o contraste entre o mármore branco de Paros da estátua e o mármore cinzento da sua base em forma de barco", como tinha explicado o director do Museu do Louvre, Jean-Luc Martinez, na altura em que foi anunciada a intervenção.

Antes do restauro, a obra apresentava ainda "alguns problemas de estrutura", que não tinham sido solucionados por um outro restauro, que já remonta a 1934. Segundo Jean-Luc Martinez, a base moderna em betão estava ligeiramente fissurada. Além disso, a equipa de especialistas, apoiados por peritos internacionais, corrigiram ainda umas pequenas falhas que a mármore apresentava já na asa esquerda. Segundo o Wall Street Journal, estas correcções não se conseguem perceber a olho nu mas fazem toda a diferença na estrutura da estátua.

Sendo esta uma das peças mais importantes do Museu do Louvre, visitado em Paris anualmente por cerca de dez milhões de pessoas, esta foi a primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial que a Vitória de Samotrácia foi mexida e a primeira vez que foi restaurada desde que foi instalada na escadaria principal do museu, que está também a ser alvo de um restauro, que deverá ficar concluído em 2015.

Ao longo dos dez meses que durou esta operação, os arqueólogos detectaram correcções à estátua que terão sido feitas quando esta foi descoberta no século XIX e que actualmente não seriam permitidas por serem inadequadas como por exemplo um acrescento em gesso na asa direita. No entanto, a equipa optou por não lhes mexer, como um exemplo do gosto naquela época, como explicou ao Le Fígaro, Ludovic Laugier, responsável pelo departamento de antiguidades do Museu do Louvre.

A Vitória de Samotrácia está assim de volta ao seu lugar de destaque no museu mais visitado no mundo mais limpa, mais branca e mais completa.

Esta foi uma operação que custou quatro milhões de euros, pagos em grande parte pelos mecenas do Louvre. São eles a japonesa Nippon Television Holdings, a holding francesa de gestão de activos e crédito de risco Fimalac e o programa de conservação de arte dos norte-americanos Bank of America e Merrill Lynch. No total, estas empresas investiram três milhões. O restante milhão foi conseguido através de uma campanha de crowdfunding lançada pelo museu.

No ano passado, a direcção do Louvre, encabeçada por Jean-Luc Martinez, anunciou a campanha Todos Mecenas, que somou cerca de 6700 doadores individuais e que fizeram donativos que foram de um euro aos 8500, tendo sido o donativo médio 134 euros e o mais frequente de 50 euros.

Notícia corrigida no dia 11/07 às 11h16: A equipa de oito pessoas não é apenas constituída por arqueólogos, como estava escrito anteriormente .