Luiz Felipe Scolari peremptório: "O responsável sou eu"

Seleccionador do Brasil assume as culpas pela derrota. David Luiz terminou o jogo em lágrimas. Thomas Müller ainda não caiu em si.

Fotogaleria
David Gray/Reuters
Fotogaleria
Ruben Sprich/Reuters
Fotogaleria
Damir Sagolj/Reuters

A maior derrota do Brasil em Campeonatos do Mundo deixou marcas na equipa técnica e nos jogadores. O seleccionador, Luiz Felipe Scolari, chamou a si a responsabilidade. O capitão, David Luiz, pediu desculpa aos brasileiros.

Luiz Felipe Scolari (seleccionador do Brasil)
"Quem é responsável quando a equipe se apresenta? Quem é colocado como técnico? Quem é responsável pelas escolhas? Sou eu. O resultado pode ser dividido porque os jogadores querem, porque dividimos as responsabilidades. Mas as escolhas, a parte táctica, sou eu... o responsável sou eu"
 
"Primeiro peço desculpas pelo resultado negativo, por não chegar à final. Vamos trabalhar e honrar aquilo que é a nossa equipa, jogando pelo terceiro lugar em Brasília. Eu fiz meu trabalho como em qualquer lugar. Fiz o que achava correcto e melhor. Tivemos uma derrota hoje, mas de há um ano e meio para cá, esta foi a primeira derrota. Foi horrível pelo resultado de 7 a 1, mas depois de 5 a 0 corremos atrás do resultado para honrar [a camisola]".

David Luiz (capitão da selecção do Brasil)
"Só queria poder dar uma alegria ao meu país, infelizmente não conseguimos. Peço desculpa a todos os brasileiros, só queria ver todos a sorrir. Eles [Alemanha] foram melhores, estavam preparados e fizeram melhor jogo. No início, perdemo-nos um pouco ali, eles viram que a gente estava assim e conseguiram marcar. Na minha vida, aprendi a ser homem em todos os momentos, nunca fugi de nada".

Júlio César (guarda-redes do Brasil)
"Explicar o inexplicável é muito complicado. Temos de reconhecer o grande futebol alemão.
O golo aos 10 minutos provocou um apagão, ninguém o esperava. Até aqui estava tudo a ser muito bonito".

Thomas Müller (jogador da Alemanha)
"Isto não podia prever-se. Não sei o que dizer, para ser honesto... Não acredito nisto, é algo completamente louco. Hoje, tudo correu bem. Sabíamos que o Brasil ia começar ao ataque e que ia abrir espaços. Foi diferente do que se passou contra a Argélia. Damo-nos pior com as equipas que se fecham e o Brasil não o ia fazer. Agora, temos de afastar mais uma equipa. Na final, vamos ter de lutar por isso".

Joachim Löw (seleccionador da Alemanha)
 "A reacção emocional do Brasil à lesão de Neymar jogou a nosso favor. Os jogadores brasileiros perderam o controlo emocional e a frieza ao permitirem que fizéssemos cinco golos em trinta minutos incríveis, durante a primeira parte. Era fundamental que enfrentássemos essa paixão e essas emoções à solta em torno do nosso adversário com calma, coragem e com a nossa própria força. Eles entraram em choque com os nossos primeiros golos e tornaram o jogo muito mais fácil para nós".