Torne-se perito

Cortes efectuados no rendimento mínimo devem ser repostos, diz a OCDE

Aumento da abrangência do subsídio de desemprego também é defendida em relatório sobre Portugal.

Bruxelas alterou dados do desemprego dos últimos três meses de 2012
Foto
OCDE recomenda que se alargue abrangência do subsídio de desemprego Jorge Silva

Para limitar os impactos negativos sentidos nos últimos anos pelas famílias mais pobres, o Governo deveria recuar nos cortes efectuados nas prestações de rendimento mínimo e aumentar a abrangência do subsídio de desemprego, recomenda a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

No relatório sobre Portugal intitulado “Consolidação da Reforma Estrutural para o Apoio ao Crescimento e à Competitividade”, que foi publicado nesta terça-feira, a entidade sedeada em Paris começa por dizer que “apesar de tendências recentes adversas no que diz respeito à pobreza, é notável a capacidade de Portugal em conter as consequências sociais negativas da crise, especialmente tendo em conta que o aumento do desemprego se concentrou nas famílias com rendimentos mais baixos”.

A organização destaca mesmo a redução registada, entre 2007 e 2012, no coeficiente de Gini – um indicador que mede a desigualdade na distribuição do rendimento, sendo Portugal o país da OCDE com um decréscimo mais acentuado. No entanto, logo a seguir, assinala que essa descida “concentrou-se no período de 2007 a 2009”, ou seja antes da aplicação de medidas de austeridade, tendo-se mantido estável a partir desse momento.

No relatório, ainda assim, é assinalado que, apesar de mais poupadas, as famílias de menores rendimentos não escaparam aos sacrifícios. “Apesar das reformas políticas recentes levadas a cabo no contexto da consolidação orçamental terem transferido, de uma forma genérica, a maior parte dos encargos para as famílias de elevado rendimento, as simulações sugerem que o grupo com o menor rendimento sofreu também perdas significativas no rendimento disponível em virtude das reformas”, afirma.

É por isso que a OCDE sugere que “as transferências sociais poderiam ser utilizadas de forma mais eficaz com o intuito de reduzir este efeito negativo naqueles que são mais vulneráveis”. Em concreto, o relatório lembra que “os cortes nas prestações de rendimento mínimo durante a crise atingiram os rendimentos das famílias mais pobres” e defende que, “tendo em conta que estas prestações eram já relativamente baixas em relação ao salário mínimo, o Governo deveria considerar repor os cortes assim que a situação orçamental o permita”.

Na mesma linha de pensamento, a OCDE assinala igualmente que “a abrangência do subsídio de desemprego também precisa de ser mais alargada”.

Descer a TSU e o IRS

Ao nível da política fiscal, seguindo uma ideia que tem sido também avançada pelos ministros das Finanças da zona euro, a OCDE defende que Portugal deveria, para estimular a criação de emprego, avançar para um alívio dos impostos sobre o sector trabalho, que poderia ser compensado em termos orçamentais pela subida dos impostos ambientais e sobre o património ou pelo alargamento do tipo de produtos sujeitos à taxa nominal do IVA.

O relatório é particularmente insistente na proposta de redução das contribuições para a Segurança Social (TSU). “Esta redução seria particularmente importante, tendo em conta a perda cumulativa substancial da competitividade dos custos e da quota do mercado de exportações sofrida por Portugal na última década", afirma a OCDE, sugerindo que a redução da TSU que os empregadores têm de pagar se poderia aplicar apenas nos salários mais baixos, o que constituiria um incentivo adicional para a contratacção de novos trabalhadores. A OCDE propõe ainda que se inicie uma descida do valor do IRS.

Sugerir correcção