Morreu Delgado Domingos, a "voz da ciência" contra o nuclear

Activo, inovador e polémico, catedrático do Instituto Superior Técnico foi um dos pioneiros no ensino da engenharia do ambiente.

Activo, inovador e polémico, Delgado Domingos morreu aos 79 anos
Foto
Activo, inovador e polémico, Delgado Domingos morreu aos 79 anos Daniel Rocha

José Delgado Domingos, ex-professor catedrático do Instituto Superior Técnico (IST) e uma voz sonante em batalhas ambientais, sobretudo contra o nuclear em Portugal, morreu este sábado, em Lisboa.

Tinha 79 anos e dedicou a maior parte da sua vida profissional ao IST, onde se licenciou como engenheiro mecânico em 1959. Em 1965, já era catedrático, estatuto ao qual acedeu por concurso com provas públicas.

No final dos anos 1970, foi um dos protagonistas da luta contra a instalação de uma central nuclear em Portugal, em Ferrel. Ao protesto Delgado Domingos emprestou o seu conhecimento científico, descodificando os argumentos que eram então invocados para justificar a central e explicando à população o que estava em causa.

“Não havia muitos cientistas e em Portugal, muito menos que falassem contra. Delgado Domingos aparece como a voz da ciência. Era um professor, sénior, que vinha desmascarar aquilo”, recorda o ex-secretário de Estado do Ambiente Carlos Pimenta. “Veio do mundo da energia para desmistificar a fraude económica e a fraude de segurança que era o nuclear. E depois aconteceu Three Mile Island e Tchernobil”, completa Pimenta.

Delgado Domingos manteve a sua posição militante contra o nuclear, com a mesma veemência e argumentos técnicos, quando o tema voltou à baila há poucos anos, com uma proposta do empresário Patrick Monteiro de Barros para a construção de uma central no país.

No IST, Delgado Domingos foi um dos criadores do curso de Engenharia do Ambiente, no princípio dos anos 1990 – num dos vários capítulos que cumpriu no seu percurso académico. “Foi uma pessoa muito activa, inovadora, conseguiu abordar ao longo da vida as mais diversas áreas”, recorda Manuel Heitor, ex-secretário de Estado da Ciência e dirigente do IN+, centro de investigação do IST a que Delgado Domingos ainda estava ligado – apesar de jubilado desde 2005. “Dos professores catedráticos que continuaram ligados ao IST, era o mais antigo”, diz Manuel Heitor.

“Foi uma pessoa muito influente, um dos grandes professores do Técnico. É com muito pesar que vemos o seu desaparecimento”, afirma Arlindo Oliveira, presidente do IST.

Arlindo Oliveira recorda o papel de Delgado Domingos na assembleia de representantes do IST – uma espécie de parlamento, que elege o presidente da instituição e avalia o seu funcionamento. Ali, como em qualquer instância onde opinava, exerceu aquela que foi uma das suas melhores qualidades: a frontalidade, com os argumentos encorpados pela sua voz penetrante.

Como professor, investigador e consultor, destacou-se particularmente na área da energia. Já retirado do ensino, era presidente da Agência Municipal de Energia de Lisboa (E-Nova). Mantinha também um site meteorológico no IST, que fornecia previsões de vento às Redes Energéticas Nacionais (REN).

Polémico, Delgado Domingos contestava parte dos argumentos científicos sobre as alterações climáticas, criticando a excessiva tónica colocada na redução das emissões de CO2. “Ele gostava de polémica, era uma pessoa muito inteligente”, refere Manuel Heitor. Também se envolveu activamente na contestação à queima de resíduos perigosos nos fornos das cimenteiras – a co-incineração, que motivou um dos mais acesos conflitos ambientais em Portugal, há pouco mais de uma década.

Fiel à ciência, aos números e às leis físicas, com que interpretava o mundo, disse à família, antes de partir: “É transferência de massa.” Foi engenheiro até ao fim.

Sugerir correcção