Regulador britânico abre investigação a estudo psicológico do Facebook

Gabinete de protecção de dados vai questionar responsáveis pela experiência, que envolveu quase 700 mil utilizadores e que tem sido posto em causa por razões éticas.

Um dos trabalhadores da rede social, no complexo de Menlo Park
Foto
Empresa diz que estudo foi executado com “protecções apropriadas” Robert Galbraith/Reuters

O Information Commissioner’s Office (ICO), o equivalente no Reino Unido à comissão de protecção de dados portuguesa, está a investigar os procedimentos usados pelo Facebook no teste de manipulação psicológica levado a cabo em Janeiro de 2012 e recentemente divulgado.

O estudo envolveu 689.003 utilizadores daquela rede social, que ao longo de uma semana foram expostos a conteúdo menos negativo ou menos positivo do que o habitual nos seus feeds, para averiguar se existia um “contágio emocional”. O que se verificou, ainda que de forma pouco significativa, foi que o comportamento dos utilizadores testados se alterava.

Os resultados foram publicados na revista Proceedings of the National Academy of Sciences de 17 de Junho, num artigo assinado por três investigadores: Adam Kramer, do Facebook; Jamie Guillory, da Universidade da Califórnia; e Jeffrey Hancock, da Universidade de Cornell.

Os internautas e, sobretudo, a comunidade académica insurgiram-se contra o estudo, por os autores terem manipulado seres humanos sem o seu “consentimento informado”, como exige a lei nos EUA. Agora, o ICO quer ouvi-lo da boca dos responsáveis do Facebook: a experiência foi realizada sem o conhecimento dos sujeitos envolvidos? E quanta informação pessoal foi usada?

Estas são as questões avançadas por um porta-voz do ICO ao Financial Times, que dá nesta quarta-feira a notícia sobre a abertura do inquérito. A mesma fonte diz que ainda é cedo para saber que parte da lei o Facebook pode ter infringido, e adianta que o ICO vai trabalhar neste caso com o seu congénere na Irlanda, onde estão sediados os escritórios da empresa na Europa.

O director de políticas do Facebook para a Europa, Richard Allan, diz estar disponível para responder a todas as dúvidas. Citado pelo jornal inglês, Allan assegura que o estudo foi executado com “protecções apropriadas”. “É evidente que as pessoas ficaram chateadas com este estudo e assumimos a responsabilidade por isso. Queremos melhorar no futuro e estamos a aperfeiçoar o nosso processo com base neste feedback.”

A empresa tem justificado a ausência de pedidos directos de consentimentos aos utilizadores com a política de utilização de dados, que todos têm de aceitar antes de criar um perfil na rede social. Todavia, a revista Forbes reparou que o texto foi alterado em Maio de 2012, quatro meses após o teste, para passar a prever o uso dos dados para “análise”, “teste” e “pesquisa”.

“Sugerir que conduzimos qualquer investigação corporativa sem autorização é uma completa ficção. As empresas que querem melhorar os seus serviços recorrem à informação que os seus clientes fornecem, quer a sua política de privacidade use a palavra ‘pesquisa’ ou não”, respondeu um porta-voz do Facebook, segundo a mesma revista.