Ataque pirata expõe emails de gestores bancários

Anonymous conseguiram mais de 400 emails profissionais. Operação revelou "falhas de todos os bancos portugueses"

Mais de 400 endereços de correio electrónico de profissionais de boa parte da banca portuguesa foram recentemente expostos. Os dados foram retirados por piratas informáticos num vasto ataque que visou os servidores e os sites de entidades do sector financeiro. Os contactos de gestores - alguns deles de topo - e de funcionários de nove bancos nacionais circulam agora na Internet depois de terem sido publicados na página de Facebookdos piratas. O ataque informático, registado no sábado, foi reivindicado pelo grupo OutsideTheLaw, ligado aos Anonymous. 

Denominado OperaçãoSystem Failed, o ataque visou "revelar falhas de todos os bancos portugueses e de várias entidades políticas relacionadas". Desta vez não há, porém, registo de ataque a servidores de partidos. A operação visou o BES, Santander, Montepio, Millennium BCP, Crédito Agrícola, BPI, Banif, BIC, Banco Popular e Banco Best. Entre os maiores bancos a operar em Portugal ficou de fora o banco público, a Caixa Geral de Depósitos. Os piratas garantem que até o servidor do Banco de Portugal foi atacado.

Os sites destas entidades terão estado inacessíveis no sábado por algumas horas, de acordo com os hackers. Porém, todas as páginas de Internet em causa estavam ontem em funcionamento. Durante a acção, os piratas terão também deixado inacessível a página multibanco.pt e o site Netpay disponibilizado pelo banco BIC. Ambos estão agora activos. Contactados pelo PÚBLICO, o Banco de Portugal, o BES e o Millennium BCP não comentaram. Ocorrido pouco tempo depois dos ataques ao site da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa, em Abril, em que foram revelados telemóveis e emails pessoais de quase dois mil magistrados, este ataque, adiantou fonte da banca, visou entidades financeiras que dominam cerca de 60% do negócio bancário em Portugal. Ao PÚBLICO, fonte da PJ não conseguiu adiantar se as entidades visadas apresentaram queixa e se já está em marcha uma investigação ao caso.

Sugerir correcção