Polícia e bombeiros buscam durante horas ladrão que pediu para ser resgatado

PSP, INEM e Sapadores fizeram buscas durante quatro horas. Homem, que tinha um saco com 30 pares de óculos furtados, deu pistas por telefone. Ficou desorientado no regresso das festas de S. Pedro, em Vila Nova de Gaia

Duas pessoas ficaram feridas na perna e no pé, depois de elementos da PSP terem disparado para dispersar um grupo de pessoas na Ameixoeira, em Lisboa
Foto
Duas pessoas ficaram feridas na perna e no pé, depois de elementos da PSP terem disparado para dispersar um grupo de pessoas na Ameixoeira, em Lisboa Pedro Cunha

Um homem esteve desaparecido cerca de quatro horas depois de cair na madrugada deste sábado numa ribanceira, na Afurada, em Vila Nova de Gaia. Hora antes havia furtado 30 pares de óculos numa barraquinha nas festas de S. Pedro da Afurada. Depois caiu e adormeceu. Acordou desorientado e pediu ajuda. A PSP e os bombeiros iniciaram as buscas pelas 8h00 e foi o irmão da vítima que telefonou para o 112 a pedir ajuda.

Segundo os Sapadores de Gaia, o homem, de 33 anos, foi encontrado pelo meio-dia na Rua da Encosta, próximo dos tanques para lavagem de roupa da Afurada. A vítima é conhecida há vários anos pela PSP de Gaia, pela alcunha de “Peninha”.

Referenciado por várias situações de furto, foi resgatado e confessou à polícia que o saco continha óculos que não eram dele. Porém, "como não é conhecida a identidade da vítima do furto e os óculos são contrafeitos, o homem não deverá ser alvo de qualquer inquérito-crime", esclareceu o Comissário Benjamim Ribeiro, do comando da PSP do Porto.

Localizado num declive ingreme de pinhal, o homem foi assistido no local e transportado ao Centro Hospitalar de Gaia. Foi uma moradora, que fora passear o cão, que ouviu gemidos e deu aos bombeiros a localização exacta. Antes disso, alertada pelo irmão da vítima, a PSP, porém, já tinha colocado de prevenção duas equipas cinotécnicas e havia pedido a localização do homem por GPS, aproveitando o facto de este estar a usar um telemóvel.

Até então, as equipas de socorro estavam dispersas. As buscas decorreram entre a ponte de Arrábida e o final da rua da Praia, uma área com cerca de dois mil metros quadrados, segundo os bombeiros. É que o homem, com quem os bombeiros se mantinham em contacto telefónico para receber pistas quanto ao local certo onde se encontrava, referia, amiúde, localizações diferentes durante os contactos.

Estiveram envolvidos na operação de resgate 22 elementos entre bombeiros, polícias e técnicos do INEM. Os sapadores destacaram para o local cinco viaturas. No terreno esteve ainda um carro patrulha da PSP e uma viatura do INEM.

“Manteve-se sempre ao telefone connosco, mas de cada vez que falava dava indicações que nos levavam para sítios diferentes”, disse o chefe dos sapadores, Carlos Santos, que liderou as buscas no terreno.

Ainda de acordo com o responsável, o homem, que disse depois que já ali estava desde as 5h00, altura em que regressava das festas, estava desorientado.

"Queixava-se de uma perna, mas não terá qualquer fractura. Foi imobilizado apenas por precaução", disse o chefe da Companhia de Sapadores Bombeiros de Gaia, Carlos Santos.

“Nós descemos com ele na maca. Ele poderia ter-se levantado e saído dali pelos próprios meios. Até porque havia uma zona de escadas não muito longe na encosta. Penso que adormeceu ali e quando acordou assustou-se e ficou desorientado”, acrescentou o chefe dos sapadores.