José Maria Ferreira
Foto
José Maria Ferreira

Joana Marrecas, a chapeleira que conquistou Londres

A jovem chapeleira portuguesa estudou em Londres, regressou a Portugal e hoje dirige uma marca internacional que, garante, adorna as cabeças de toda a Europa

Joana Marrecas tem uma profissão curiosa — é chapeleira. A jovem portuguesa de 30 anos estudou em Londres, regressou a Portugal e hoje dirige uma marca internacional que, garante, adorna as cabeças de toda a Europa. São mulheres de todas as idades, “dos 15 aos 80”, que procuram o seu atelier à procura “do chapéu certo”. Quanto à melhor qualidade de um chapéu, “é ser único”. Para Joana, não pode haver dois chapéus iguais e um chapéu é mais que um acessório, “é a extensão da personalidade”.

“Com o chapéu certo, há ali um momento em que os olhinhos se iluminam”, afima a chapeleira. Esse momento, para Joana, deu-se há uns anos, quando começou a fazer chapéus para si e depois para as amigas. Pouco tempo passado, Joana Marrecas viu-se em Londres, na famosa London College of Fashion e, mais tarde, na British Fashion House Vivienne Westwood's Milliner. De regresso a Portugal, mas com um pé no resto do mundo, Joana mantém hoje uma vasta carteira de clientes internacionais.

Mas foi no Royal Ascot, a famosa corrida de cavalos que junta a elite britânica, que encontrou o auge da sua carreira. “São os óscares dos chapéus. É um reconhecimento de qualidade de execução e na parte artística. As clientes são muito exigentes e querem uma peça marcante”, afirmou Joana Marrecas ao P3. 

PÚBLICO -
Foto

Apesar de estar em Inglaterra o epicentro da chapelaria fina, o gosto pela arte está a nascer noutros países e Portugal não é excepção. Joana acredita que o chapéu “acaba por ser um acessório que andou adormecido” mas que, por outro lado, “a mulher portuguesa está muito receptiva a acessórios que realcem a sua beleza natural”. Contudo, na chapeleira trata-se de uma questão de oferta: se há mais no mercado ou se trata de um produto mais exposto, “as pessoas começam a ficar curiosas” e acaba por haver mais procura.  

PÚBLICO -
Foto

De chapéus de abas largas, a turbantes, a toucados, sobram feitios, cortes e adornos: borboletas, fitas e laços. Cada chapéu é um processo: são feitos à mão, de modo artesanal, com os melhores materiais e costuras invisíveis. Os chapéus mais complexos podem demorar cerca de uma semana a serem feitos, mas, normalmente, a construção de um chapéu leva entre dois e três dias. “Primeiro a cliente vem ao meu atelier, eu peço para trazer o vestido e os acessórios. Depois uso uma palha que pode ser tingida da cor do vestido, e seca de um dia para o outro. É preciso moldar a palha ao feitio do chapéu, é preciso usar colas e aplicar no molde, que também demora cerca de 24 horas a secar. Passa-se à parte da acessorização e acabamentos.”

A designer diz fazer questão de receber as suas clientes e de lhes dar atenção, de as conhecer para descobrir “se é uma pessoa com grande sentido de humor, se é confortável e confiante, se gosta de um pouco menos de palco ou é mais discreta”. Na verdade, revela, um chapéu “tem de ter elementos muito particulares, tem que encaixar na personalidade da pessoa. Nenhuma cliente minha leva um chapéu com o qual não se sente bem”.

Texto editado por Andréia Azevedo Soares