“O exame não era de Matemática, era de mandarim. Para mim era chinês”

Muitos alunos do 12.º ano, que fizeram nesta quinta-feira prova nacional de Matemática A na Escola Secundária de Vergílio Ferreira, em Lisboa, acharam o exame difícil.

Foto
Na Escola Secundária de Vergílio Ferreira 320 alunos fizeram exame de Matemática A Rui Gaudêncio

Ana Rita, aluna da área de Ciências e Tecnologia e de nota 10 à disciplina, não é a única a achar que o exame, embora "mais fácil" do que o de 2013 - que teve as notas mais baixas dos últimos sete anos - foi na mesma "difícil". “O exame conta 30% da nota final, por isso preciso de ter 8,5. Mas, pelas minhas contas, vou ter para aí um três. Se estiver certa, vou ter de ir à segunda fase”, lamenta. Garante que estudou e teve explicações. O problema foi o grau de dificuldade dos exercícios e não a matéria, que era a esperada: “Saiu complexos, probabilidades, geometria, continuidade de funções, derivadas e um exercício de calculadora”, enumera.

Segundo os alunos que se juntaram à porta desta escola, no fim do exame, a matéria do 11.º que saiu valia no total dois valores em 20: “O exercício de geometria valia 1,5 e a questão do grupo de escolha múltipla sobre sucessões 0,5. O resto, a maior parte, era matéria do 12.º ”, explica João Costa, de 20 anos.

Este estudante está a frequentar o ano zero do curso de Turismo e Gestão Hoteleira, mas precisa de fazer Matemática para ter o ensino secundário completo. Espera ter positiva, mas não tem a certeza de que vá conseguir: “Pedi para acenderem velinhas, rezarem e fazerem mezinhas, mas não sei se vai resultar”, diz, divertido.

André Costa, de 17 anos, do 12.º ano da área de Ciências socioeconómicas, não tem dúvidas de que o exame foi “difícil”: “Não sei se não vou ter de ir à segunda fase… Pelas minhas contas, estou no limite, entre o 9 e o 10...” O aluno quer ir para o curso de Ciências do Desporto e, nesse caso, Matemática é prova específica. Como anulou a matrícula, tem de ter no mínimo 9,5. Apesar de garantir ter estudado “bastante” e ter tido explicações durante todo o ano, preferia que o exame incluísse apenas conteúdos do 12.º: “Era menos matéria para estudar, menos conceitos para relacionar”, justifica.

Patrícia Rocha, 19 anos, trabalhadora-estudante do 12.º, discorda: “As matérias do 11.º e 12.º estão muito relacionadas, não acho que juntar conteúdos dos dois anos torne o exame mais difícil”, explica. Apesar disso, a prova não lhe correu bem: “Tinha exercícios bastante difíceis, com muitos cálculos e contas em que era preciso pensar bastante. Correu mais ou menos, mas mais para o mal. Positiva não vou ter de certeza. A segunda fase cá me espera”, diz.

“Horrivelmente mal”
Nenhum dos alunos ouvidos à porta da escola Vergílio Ferreira achou que o exame lhes tivesse corrido bem. Tiago Bernardo, 20 anos, diz mesmo que lhe “correu horrivelmente mal”: “Já estava à espera, não percebo nada disto.” Só fez a escolha múltipla, mas não está muito preocupado, nem tenciona ir à segunda fase: “Estou cá para o ano”, graceja.

Já Sofia Mendonça, 17 anos conta ir à segunda fase: “Correu muito mal”, lamenta. Ao lado, a amiga, Sara Marques, de 19 anos, acha que o exame não era “assim tão difícil” para quem se preparou: “Tinha muitos exercícios de probabilidades, que é a matéria mais fácil. Acho que os colegas que estudaram vão ter boa nota.” Mas mesmo para quem garante ter estudado “muito”, como Tiago Tavares, de 17 anos, o exame não foi acessível: “Correu mal, eu achei difícil.”

Apesar de ser das poucas a considerar que o exame até era acessível para quem se tivesse empenhado, Sara Tavares entregou-o em branco: “Já vinha preparada para não fazer. Anulei a matrícula, comecei a estudar a matéria do 11.º ano tarde e estou atrasada”, justifica a aluna que, mesmo com “muitas explicações”, considera que sair matéria de dois anos dificulta a vida aos alunos. “É complicado, porque a matéria do 12.º ano já é muita, os professores não têm tempo de dar tudo e fazer revisões”.

Se à saída os alunos estavam menos confiantes nos resultados, à entrada para o exame, pelo menos nesta escola de Lisboa, estavam relativamente calmos. Vicente Xavier, 16 anos, já sabia que a prova ia ser “difícil” e estava um bocadinho nervoso”, mas “nada de especial”.

Antes de a prova começar, a presidente da comissão administrativa provisória do agrupamento de escolas Vergílio Ferreira, Manuela Esperança, dizia que os alunos estavam "expectantes" mas serenos. Mesmo que a Matemática seja um "fantasma" para muitos, não sentiu especial nervosismo entre os jovens e até achava que o facto de este ano as provas estarem a ser “mais limpas” e “bem elaboradas” lhes dava “mais tranquilidade” e “confiança”.

E também relativizava o facto de alguns estudantes dizerem que não se lembram da matéria do 11.º ano: "Isso não é bem assim. Por exemplo, em História [área desta docente], ainda que haja conceitos que se repetem, há unidades mais estanques, que ficam em gavetas. A Matemática é uma disciplina de conhecimento em espiral", explica, acrescentando que, desde o início do ano, os professores programaram revisões. No total, no país, estavam inscritos na prova de Matemática A cerca de 50 mil alunos, e apenas 3.700 na de Matemática B.