Torne-se perito Crítica

Românticos vampiros

Um filme magistral que confirma o pico de forma de Jarmusch.

Foto

Não é tanto um filme como um feitiço, um encantamento que Jim Jarmusch, um dos raríssimos cineastas independentes americanos contemporâneos no sentido mais purista da expressão, lança sobre o espectador.

Esta história de um casal de vampiros à toa num mundo contemporâneo, românticos perdidos num universo por demais materialista, combina sem esforço o humor em câmara lenta e a cinefilia pop-cultural a que Jarmusch nos habituou com um requinte formal absolutamente magistral.

Confirma o pico de forma de um cineasta que parece, como alguns vinhos, melhorar com a idade - desde a obra-prima Ghost Dog que Jarmusch tem alinhado os seus melhores filmes, nos quais a câmara lenta de uma nobreza elegíaca de Só os Amantes Sobrevivem se inscreve instantaneamente. É um dos filmes do ano.

Sugerir correcção