Um dos maiores elefantes africanos foi morto, 20 mil desapareceram em 2013

Relatório indica que níveis de caça ilegal continuam "assustadoramente altos" e a exceder as taxas de crescimento da população de elefantes.

Fotografia de Satao quando vivia no  no Tsavo East National Park
Fotogaleria
Fotografia de Satao quando vivia no no Tsavo East National Park Tsavo Trust
Pela primeira vez, o número de apreensões feitas em África excedeu as da Ásia
Fotogaleria
Pela primeira vez, o número de apreensões feitas em África excedeu as da Ásia MARCO LONGARI/AFP

Satao era conhecido pelas suas enormes presas e considerado um dos paquidermes “mais emblemáticos e queridos”, como o relembra a Tsavo Trust no comunicado onde anuncia a morte do animal. “É com uma enorme tristeza que confirmamos, sem qualquer dúvida, que Sato morreu, assassinado por um caçador de marfim com flechas envenenadas para alimentar a insaciável procura por marfim nos países distantes. Uma grande vida perdida para que alguém ao longe possa ter um bibelot em cima da lareira”, escreve a organização sem lucros que opera na região de Tsavo.

O corpo do elefante foi encontrado no Tsavo East National Park, sem grande parte da cabeça, habitualmente decepada pelos caçadores para retirarem depois as presas, mas a organização conseguiu identificar Satao pelas suas orelhas. O elefante vivia numa reserva com cerca de mil quilómetros quadrados, uma área difícil de manter sempre sob vigilância.

A morte de Satao aconteceu poucos dias antes de ser publicado o mais recente relatório da Cites sobre a sobrevivência dos elefantes em África. Segundo o relatório, mais de 20 mil destes animais foram mortos no ano passado, um número elevado mas ligeiramente inferior aos registados em 2011 e 2012. Mas a Cites sublinha que os “níveis de caça ilegal continuam assustadoramente altos e a exceder em muito as taxas de crescimento da população de elefantes”.

O organismo concluiu ainda que houve um aumento nas apreensões de marfim (remessas de mais de 500 kg) e que essas apreensões ocorreram antes das presas saírem do continente africano. “Pela primeira vez, o número de apreensões feitas em África excedeu as realizadas na Ásia”, indica a Cites. Quénia, Tanzânia e Uganda registaram 80% dessas operações, que indicam que o crime organizado transnacional está envolvido no negócio ilegal de marfim.

"Os elefantes de África continuam a enfrentar uma ameaça imediata à sua sobrevivência devido níveis elevados de caça ao seu marfim e, com mais de 20 mil elefantes abatidos ilegalmente no ano passado, a situação continua dramática. Devido aos esforços colectivos de muitos, também vemos alguns sinais encorajadores, mas a experiência mostra que as tendências de caça furtiva podem mudar drasticamente e rapidamente, principalmente quando o crime organizado transnacional está envolvido", observou o secretário-geral da Cites, John E. Scanlon.

Através do programa Monitorizar a Morte Ilegal de Elefantes (MIKE, na sigla em inglês), que recolheu dados de 51 locais no território africano, a Cites revela que foi possível apurar que 17 mil elefantes foram mortos ilegalmente em 2011, 15 mil em 2012 e 14 mil em 2013. “Extrapolando estes dados a nível continental, mais de 25 mil elefantes podem ter sido caçado por toda a África em 2011, mais de 22 mil em 2012 e mais de 20 mil em 2013”.