Ryanair lança seis novas rotas em Portugal

Companhia irlandesa tem como objectivo ser a maior companhia aérea no país no espaço de quatro anos.

Michael O'Leary acha que a TAP devia ser vendida ao IAG
Foto
Companhia aérea prevê a criação de quatro mil postos de trabalho em Lisboa e no Porto DOMINIQUE FAGET / AFP

A transportadora aérea irlandesa Ryanair anunciou nesta quinta-feira as seis novas rotas que irá lançar em Portugal no próximo Inverno. Com um total de 42 rotas, a companhia de baixo custo incluirá quatro novas ligações a partir de Lisboa e duas a partir do Porto, esperando atingir, no global, 5,7 milhões de passageiros por ano.

Breme, Eindhoven, Milão e Roma são os quatro destinos que se juntam às dez rotas internacionais já operadas pela companhia aérea no aeroporto de Lisboa. Com a nova programação de Inverno, a Ryanair tem como objectivo chegar aos 1,5 milhões de passageiros na capital portuguesa. 

Também a Cidade Invicta verá o seu número de rotas aumentar no Inverno, com duas novas ligações a Bremen e a Bruxelas Zaventem. A companhia espera alcançar 2,5 milhões de passageiros por ano no aeroporto Francisco Sá Carneiro com as 25 rotas que passará a operar.

Na nova programação de Inverno, anunciada nesta quinta-feira em conferência de imprensa, a empresa integrou também um reforço do número de voos em oito rotas que já existem nos aeroportos de Lisboa e Porto. Na capital, haverá um aumento de frequências para Londres Stansted, Pisa e Porto, passando o número de voos semanais de 74 para 100. E, a norte, serão reforçadas as rotas para Frankfurt, Marselha, Memmingen, Milão e St. Etienne, com os voos semanais a crescerem de 124 para 145.

Na conferência, a empresa apresentou dados que apontam para a criação de 5700 empregos em Portugal, desde que iniciou a operação no país. Este valor resulta da aplicação de um rácio da Airports Council International, que estima que, por cada um milhão de passageiros transportados, são criados 1000 postos de trabalho (directos e indirectos).

Michael O´Leary, presidente executivo da empresa, afirmou que considera que a low cost vai “ultrapassar a TAP e ser a maior companhia aérea em Portugal. Somos a segunda maior em Lisboa e já lideramos no Porto e em Faro”. No Algarve, a Ryanair disputa a liderança com a Easyjet.

O responsável mostrou optimismo em relação ao crescimento da empresa em Portugal. "Espero que ao longo dos próximos três ou quatro anos, trabalhando em conjunto com a ANA, consigamos ser a companhia aérea número um em Portugal”, afirmou.

Michael O'Leary, que já há vários anos pressiona a gestora aeroportuária para obter descontos nas taxas cobradas às companhias de aviação nos aeroportos, avançou que está em discussão com a ANA "para que surja a possibilidade de descontos em horários offpeak [temporada média]". O presidente executivo da Ryanair disse ainda que o aeroporto de Lisboa se encontra abaixo da capacidade “porque não tem tráfego low cost suficiente”.

Relativamente à rota entre Lisboa e Faro, o responsável informou que a companhia aérea não a irá retomar. A principal justificação apontada pelo presidente executivo da Ryanair para esta decisão é o facto de existirem bons acessos terrestres, que permitem às pessoas “chegar a Faro em apenas duas horas”. “Onde há uma boa auto-estrada não é necessário apanhar um avião”, acrescentou.

A Ryanair anunciou também que irá brevemente lançar uma nova aplicação para telemóveis, bem como um produto exclusivo para famílias e passageiros de negócios.

Texto editado por Raquel Almeida Correia