Mário Figueiredo concorre sozinho à presidência da Liga

Candidaturas de Fernando Seara e de Rui Alves foram rejeitadas por terem sido detectadas irregularidades nos processos.

Mário Figueiredo
Foto
Mário Figueiredo Foto: Nelson Garrido

Inversão de marcha nas eleições para a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), marcadas para quarta-feira. O presidente da Mesa da Assembleia Geral do organismo decidiu na segunda-feira rejeitar as candidaturas encabeçadas por Fernando Seara e Rui Alves, o que deixa o actual líder, Mário Figueiredo, sozinho na corrida.

A inconformidade com os estatutos da LPFP esteve na base desta tomada de posição. Mas vamos por partes. Foram apresentadas quatro candidaturas dentro do prazo legal: a A, encabeçada por Fernando Seara, a B, liderada por Rui Alves, a C, também ela encabeçada por Fernando Seara, e a D, de Mário Figueiredo.

A lista do actual presidente da LPFP foi a única que cumpriu os critérios de admissão, sendo que as restantes desrespeitaram a alínea que prevê que "todas as candidaturas devem abranger a totalidade dos órgãos sociais" - "Não é admissível um vazio institucional em relação a qualquer um dos órgãos sociais".

A lista A, liderada por Fernando Seara mas apresentada por um mandatário, não foi acompanhada de uma declaração de aceitação da candidatura subscrita pelo candidato à liderança. "Fernando Seara declarou expressamente, através de comunicado, não ser candidato por essa candidatura", pode ler-se no comunicado emitido pela LPFP. "Tal circunstância corresponde à não apresentação por parte da Candidatura A de qualquer candidato para o cargo de Presidente da Liga", acrescenta-se. 

Já a lista B, de Rui Alves, não apresentou "qualquer lista candidata à Comissão Disciplinar e à Comissão Arbitral", para além de, "à data do termo do prazo de apresentação de candidaturas, o candidato a presidente" estar ainda "registado, na competente Conservatória do Registo Comercial, como Presidente do Conselho de Administração da sociedade Clube Desportivo Nacional Futebol, SAD, sendo portanto inelegível para o cargo".

Quanto à candidatura C, esta entregue e encabeçada pelo próprio Fernando Seara, falhou ao não apresentar uma lista para a Comissão Arbitral.

Tudo somado, resta a lista de Mário Figueiredo, presidente cessante do organismo que tem agora as portas abertas para ser reeleito depois de um mandato cujos últimos meses foram marcados por forte contestação da parte dos clubes.

Sugerir correcção