Jean-Marie Le Pen diz que vai fazer uma "fornada" com os que criticam a Frente Nacional

Polémica em França onde se exige um processo-crime contra o líder histórico do partido que ganhou as europeias.

Jean-Marie e Marine Le Pen
Foto
Jean-Marie e Marine Le Pen AFP

Um comentário anti-semita e racista do líder histórico da Frente Nacional, Jean-Marie Le Pen, abriu uma polémica em França, onde as organizações não governamentais exigem a abertura de um processo crime contra o antigo dirigente da extrema-direita.

Num vídeo publicado no site da FN na Internet, Le Pen surge a conversar com uma interlocutora que lhe pede para comentar as críticas ao partido feitas por uma série de artistas e de outras personalidades, francesas e internacionais  entre eles Madonna, Guy Bedos (humorista), Yannick Noah (antigo campeão de ténis) e Patrick Bruel (cantor judeu). Le Pen é rápido na resposta e, a rir, diz: "Da próxima vez faremos uma fornada com eles". 

O vídeo foi retirado neste domingo, já a polémica estava aberta. E de pouco serviram as explicações que o líder histórico da extrema-direita francesa deu, entretanto. "A palavra 'fornada', que usei, não tinha qualquer conotação anti-semita a não ser para os [nossos] inimigos políticos e para os imbecis. Se há gente do meu campo que fez esse interpretação, não passam de imbecis".

Louis Aliot, vice-presidente da FN e companheiro de Marine Le Pen (filha de Jean-Marie e actual líder do partido) disse que, se por um lado, Jean-Marie "usou bem o termo fornada", por outro "disse uma má frase". "Foi estúpido do ponto de vista político e um constrangimento". O partido que venceu as eleições europeias em França, com 25% dos votos, não quer perder o momento que lhe é favorável; Marine tem como próximo grande objectivo ser eleita Presidente de França.

No Twitter, a ministra francesa para os Direitos das Mulheres, Najat Valaud-Belkacem, condenou Le Pen e disse que se o partido não o banir devido ao comentário, a FN "será para sempre o partido da náusea republicana".

O SOS Racismo, em comunicado, exige que "nos próximos dias" seja aberto um processo contra Jean-Marie Le Pen, que acusa de ter "usado a mais grosseira lógica anti-semita". Comentanto as declarações de Aliot, esta organização disse também que o partido tem que deixar de minimizar as tiradas anti-semitas e racistas de Jean-Marie, chamando-lhes incidentes. 

O Movimento Contra o Racismo e pela Amizade dos Povos (Mrap), também classificou as palavras de Le Pen de "autêntico anti-semitismo" e anunciou que vai apresentar uma queixa contra o veterano político.

Jean-Marie Le Pen já foi condenado em tribunal, mais do que uma vez, por incitamento ao ódio. Dias antes das eleições europeias, o pai da actual líder da Frente Nacional afirmou que as pressões de imigração que a Europa atravessa poderiam ser resolvidas com o vírus ébola. Le Pen também é conhecido por negar crimes contra a humanidade classificou as câmaras de gás nazis como "um pormenor da História".