Crítica

Uma boa ideia deitada para o caixote do lixo

Foto

Não é todos os dias que Woody Allen aceita ser actor em filmes de outros realizadores, e acreditamos que é aí que reside o “chamariz” da quinta realização de John Turturro, actor muito mais que estimável mas que, como realizador, tem uma tendência desagradável para meter a pata na poça.

Allen interpreta um livreiro judeu nova-iorquino que convence o seu melhor amigo, um florista desempregado, a tornar-se latin lover de aluguer. O que até é uma boa ideia de história, literalmente deitada para o caixote do lixo pela incapacidade de Turturro acertar no tom: o que se quer é uma espécie de conto-de-fadas nova-iorquino, mas isso nunca encaixa na dimensão de farsa étnica mais ou menos desbragada em que Quase Gigolo se afunda.

Tanto mais lamentável quando há aqui excelentes actores por quem Turturro tem um evidente amor, e a quem dá espaço para representar, mas se esqueceu de lhes dar personagens (Allen, por exemplo, limita-se a fazer de si mesmo como se estivesse num dos seus filmes) - o resultado é um tiro ao lado tão inexplicável que até irrita ver tanto talento desperdiçado. Embora, deva dizer-se, Vanessa Paradis como viúva judia ortodoxa seja um evidente achado de casting.