Torne-se perito

Homens saudáveis, mulheres doentes?

As mulheres portuguesas vivem mais tempo do que os homens mas apresentam piores condições de saúde.

Foto

Um estudo realizado pela socióloga Ana Fernandes em conjunto com outros especialistas, que deu origem a um artigo sintomaticamente intitulado “Homens saudáveis, mulheres doentes?”, fornece várias pistas para explicar o aparente paradoxo - que não é exclusivo de Portugal e verifica-se noutrso países da Europa - de as mulheres viverem mais tempo mas em piores condições que os homens. Primeiro, a constatação: os homens, apesar de assumirem mais comportamentos de risco (como fumar e beber), “avaliam de forma mais positiva a sua saúde e têm melhores condições de saúde, com menos doença crónica e menor sofrimento psicológico”.

O certo é que os resultados desta investigação (que pretendeu conhecer e analisar o estado de saúde na população com mais de 50 anos, com base nos dados do Inquérito Nacional de Saúde 2005/2006) permitiram concluir que as mulheres tinham, em geral, menores níveis de escolaridade e rendimentos mais baixos. “O estado de saúde em idade mais avançada depende, em parte, daquilo que foi o capital de saúde construído ao longo de uma vida, mas também do contexto actual do indivíduo e dos recursos de que dispõe para prevenir a doença ou minorar as consequências desta”, frisam, a propósito, os autores.

Lembram ainda que os estudos centrados em diferenças de género revelam que, além de as mulheres terem em geral menor acesso a educação e aos “bons empregos”,  há “evidência crescente de que, mesmo quando os homens e as mulheres ocupam uma posição social semelhante, a condição de saúde das mulheres é, em média, pior do que a dos homens”. Porquê? São, de novo, várias as razões. Mas há uma que pesa: “é mais difícil para uma mulher combinar um trabalho pago com as obrigações familiares, em todos os níveis de actividade profissional”. 

Sugerir correcção