História de criança atacada por cão termina com gata heroína e cão eutanasiado

Jeremy foi mordido por Scrappy numa perna. Após quarentena, o cão foi abatido por decisão do dono.

http://youtu.be/C-Opm9b2WDk

O vídeo de uma gata a salvar um rapaz de quatro anos de um cão correu o mundo e tornou-se viral. A rapidez da felina Tara impediu que Jeremy Triantafilo sofresse mais ferimentos ­— a criança foi mordida numa perna — e valeu-lhe o título de heroína. O cão Scrappy continuou a ter um comportamento considerado agressivo depois do incidente e acabou por ser abatido, apesar dos protestos de defensores dos direitos dos animais.

No vídeo captado por câmaras de vigilância em Bakersfield, Califórnia, Jeremy brinca com uma bicicleta no passeio, quando é atacado por um cão. Mordeu-lhe na perna esquerda e arrastou-o violentamente, até que Tara, a gata da família Triantafilo, entrou em acção, atirando-se contra Scrappy, que rapidamente fugiu.

O vídeo (que contém imagens que podem ser consideradas sensíveis) foi colocado por Roger Triantafilo no YouTube, com o título: “Um gato salvou o meu filho”.

O rapaz sofreu uma mordedura numa perna e foi suturado com dez pontos.

Quanto ao cão, que pertencia a um vizinho da família, foi colocado sobre vigilância animal durante dez dias após o incidente e acabou eutanasiado. Segundo funcionários do abrigo para animais onde esteve após o ataque, Scrappy eram agressivo com o pessoal e tentou morder pelo menos dois deles em algumas ocasiões.

“O animal poderia talvez ser reabilitado pela família mas, pelo que percebi, seria um longo e difícil processo colocar de novo o cão sob os seus cuidados”, disse a mãe de Jeremy, Erica Triantafilo, à NBC.

Durante os dez dias de quarentena, foi lançada uma petição por defensores dos direitos dos animais a pedir que o cão fosse poupado à eutanásia. O principal alvo de críticas foi o abrigo para animais que recebeu Scrappy.

“Recebemos ameaças e e-mails dos que pensavam que tinha sido nossa a decisão de abater o cão. Esse não foi o caso. Temos 300 cães para quem estamos a tentar encontrar famílias e que nunca morderam ninguém. Neste caso, o dono [do cão] tomou uma decisão. Seguimos os desejos do dono”, explicou um dos elementos do abrigo, sublinhando que foi o homem que pediu que o cão fosse eutanasiado.

O destino de Scrappy contrasta com o de Tara. A gata heroína tornou-se tão conhecida que foi mesmo a estrela num jogo de basebol em Bakersfield, onde teve a honra de lançar a primeira bola da partida.

A família Triantafilo criou também uma página no Facebook de homenagem à sua gata - Tara Hero Cat. 

com agências