Para Nairo Quintana, tudo começou a ir de bicicleta para a escola

O ciclista da Movistar tornou-se ontem no primeiro colombiano a vencer a Volta a Itália, ?em 97 edições da prova.

Foto
Luk Benies/AFP

Não há nada de invulgar em ir de bicicleta para a escola. É essa a realidade de muitas crianças em todo o mundo e, por necessidade, foi assim que Nairo Alexander Quintana Rojas começou, numa velha bicicleta de montanha, a fazer 16km duas vezes por dia, porque a família não tinha dinheiro para o autocarro e era demasiado cansativo ir a pé. A ida era fácil, sempre a descer, a volta era a subir numa inclinação de 8 graus. Foram as primeiras escaladas de alguém que, poucos anos depois, se iria tornar num dos melhores trepadores do pelotão internacional. E neste domingo, apenas à sua terceira participação numa grande volta por etapas, Nairo Quintana, o pequeno ciclista colombiano, chegou ao topo, triunfando na Volta a Itália em bicicleta, o primeiro corredor colombiano (e sul-americano) a fazê-lo em 97 edições da prova.

Depois do surpreendente segundo lugar no Tour 2013, Quintana veio para este Giro aprender a esperar por uma próxima oportunidade. A estratégia da Movistar assim o ditou. Em 2014, não iria lutar pela camisola amarela no Tour com Chris Froome e outros, mas iria estar no Giro como chefe-de-fila da equipa espanhola e principal candidato à camisola rosa. E assim o fez, com demonstrações de força em etapas-chave, como a crono-escalada de Monte Grappa, em que ganhou quase um minuto e meio ao seu compatriota Rigoberto Uran, ou na subida ao Monte Zoncolan, em que controlou toda a concorrência.

Neste domingo, a última etapa foi apenas uma formalidade para a classificação geral. O esloveno Luka Mezgec (Giant) venceu na chegada ao sprint em Trieste e Quintana envergou a rosa no momento que mais interessava. “É um dos dias mais felizes da minha vida. Obrigado à minha gente e à minha equipa por me ter ajudado a concretizar este sonho”, declarou o jovem ciclista de 24 anos, após o triunfo mais importante da sua ainda curta carreira.

Trepador por excelência, tal como grande parte dos colombianos no pelotão internacional, Quintana, que tem apenas 1,67m de altura, foi “descoberto” por Eusebio Unzue, o director-desportivo da Movistar quando venceu, com 20 anos, o Tour de l’Avenir. “Encontrar um colombiano que saiba escalar é fácil. Mas um que também seja bom no contra-relógio é mais raro. Outra das suas qualidades é o carácter. Ele tem muita confiança nele e, quando falamos com ele após uma etapa, percebemos que não é apenas um ciclista rápido”, dizia Unzue.

Depois de uma estreia discreta na Volta a Espanha em 2012, Quintana explodiu no Tour de 2013 quando ninguém contava com ele, conquistando os prémios da montanha e da juventude, ficando apenas atrás de Chris Froome na geral. “Não sou um fenómeno, sou um ser humano. Não venho de outro mundo”, disse, em tempos, o colombiano de rosto impassível que sofreu de uma estranha doença e esteve à beira da morte quando tinha cinco anos. Mas Quintana sobreviveu e vai aprendendo e ganhando experiência para os palcos mais exigentes. Não vai estar no Tour no próximo mês, mas contem com ele para 2015.

Classificação geral
1. Nairo Quintana (Movistar) 88h14m32s
2. Rigoberto Uran (Omega Pharma Quick-Step) + 2m58s
3. Fabio Aru (Astana) + 4m04s
4. Pierre Rolland (Europcar) + 5m46s
5. Domenico Pozzovivo (AG2R) + 6m32s