António Costa avança para a liderança do PS

Dois dias depois das eleições europeias em que o PS teve uma vitória muito tímida, António Costa mostra disponibilidade para disputar a liderança do PS.

António Costa foi reeleito para a Câmara de Lisboa (com 50,91% dos votos) em Setembro de 2013
Foto
António Costa foi reeleito para a Câmara de Lisboa (com 50,91% dos votos) em Setembro de 2013 Sandra Ribeiro

“Estou naturalmente disponível para assumir essa responsabilidade, de liderar essa mudança e garantir um governo sólido em Portugal, porque isso é essencial para a mudança que os portugueses disseram muito expressivamente querer”, declarou o presidente da Câmara de Lisboa.

O autarca explicou ainda a razão por que decidiu avançar: "Sinto que é meu dever corresponder àquilo que eu lancei e que eu sinto ser aquilo que os socialistas e muitos cidadãos que, não sendo socialistas, acham que eu posso e tenho o dever de dar ao país."

António Costa falava no final da inauguração de um monumento a Maria José Nogueira Pinto, que foi vereadora da Câmara de Lisboa, na Ribeira das Naus, da autoria do escultor Rui Sanches.

Há um ano, o ex-ministro de Estado e da Administração Interna do XVII Governo Constitucional presidido por José Sócrates ponderou candidatar-se a líder do PS, mas depois acabou por não avançar. O anúncio desta terça-feira é assim o desfecho de uma novela com mais de três anos. Quando José Sócrates abandonou a liderança do PS, após a derrota nas legislativas de 2011, o autarca foi pressionado para avançar contra António José Seguro. Nessa altura, a candidatura de Francisco Assis foi vista como a solução de recurso dos que não acreditavam numa liderança do agora líder.

Mas a vitória de António José Seguro contra o agora eurodeputado não sossegou as hostes socialistas. No início de 2013, perante as sondagens que davam conta do pequeno avanço do PS sobre a direita, voltaram a ouvir-se vozes contra Seguro.

António Costa voltou a ser pressionado para desafiar a liderança. Houve mesmo dirigentes do PS que assumiram apoiar o autarca no caso deste avançar. Mas, com o calendário das eleições autárquicas a aproximar-se, Costa optou por não avançar. O machado de guerra foi enterrado numa comissão política em que os dois socialistas se comprometeram a trabalhar para a unidade do partido. Esse esforço resultou no “Documento de Coimbra”, em que eram definidas linhas de orientação política para o PS.

Resta agora perceber como é que essa liderança vai ser disputada. A última revisão dos estatutos do partido definiu que a eleição para cargos nacionais passavam a ser feitos após as eleições legislativas. 

Neste momento, tal como estão os estatutos, haverá novo processo eleitoral após as legislativas, de forma que só há três maneiras de desafiar António José Seguro. Ou Seguro marca um congresso, ou a Comissão Nacional aprova por uma maioria de 2/3 essa solução ou 50% das federações o solicitam. Vítor Ramalho, socialista próximo de Mário Soares, defendeu a realização de um congresso extraordinário, convocado pelo actual secretário-geral. 

Do lado da actual direcção o secretário nacional Álvaro Beleza mostrou-se preparado para o combate. Mas também já começaram a surgir apoios ao avanço de António Costa.

O presidente da Câmara de Lisboa confirmou ainda 

ter solicitado uma reunião com o secretário-geral do PS, António José Seguro, e que vai estar na reunião da comissão nacional deste sábado.

Questionado pelos jornalistas sobre o assunto, António Costa apenas disse desejar que haja um “processo que seja claro e transparente”. “A forma é uma questão que o PS definirá, quero discutir isso com o secretário-geral. A última coisa que o PS pode fazer e deve fazer é um processo que não seja claro, transparente, que [não] una o partido", afirmou.