Holding do Grupo Espírito Santo escondeu 1200 milhões de euros em dívida

A ESI, que controla a área financeira e não financeira do Grupo Espírito Santo, está em falência técnica.

Ricardo Salgado apresentou resultados
Foto
Ricardo Salgado apresentou resultados Rui Gaudêncio

As irregularidades detectadas nas contas da Espírito Santo International (ESI) traduzem-se na ocultação de 1200 milhões de euros em dívida nas contas de 2012, de acordo com o relatório de auditoria da Espírito Santo Financial Group (ESFG), a que o semanário Expresso teve acesso.

Segundo o Expresso, a ESI não registou 1200 milhões de euros de dívidas nas contas de 2012 e “é essa a natureza e o valor das ‘irregularidades materialmente relevantes’ detectadas na auditoria às contas da holding controlada pela família Espírito Santo”.

Esta semana, no prospecto do aumento de capital que tem em curso, o BES admitiu que a auditoria pedida pelo Banco de Portugal à ESI havia detectado "irregularidades" nas contas e que uma outra auditoria, conduzida pela ESFG, tinha comprovado a existência de “irregularidades materialmente relevantes", capazes de pôr em causa a reputação e a queda das cotações do banco. 

Essas irregularidades deixavam a holding numa “situação financeira grave”, assumiu o banco liderado por Ricardo Salgado. Uma “situação de falência técnica”, segundo o Expresso, que cita o relatório de 7 de Abril da comissão de auditoria da ESFG, dona do BES.

Este relatório, assim como o de outra auditoria paralela realizada pela KPMG (encomendada pelo Banco de Portugal), foram entregues à CMVM e ao supervisor financeiro, e a existência de irregularidades tornou-se pública no prospecto do aumento de capital que o banco divulgou no início da semana, embora não se soubesse nem a sua natureza, nem o montante.

Na sequência das conclusões da auditoria, a ESI, a holding que controla a área financeira (BES) e não financeira (Rioforte) do Grupo Espírito Santo (GES), foi obrigada a reescrever as suas contas e, em consequência, viu o passivo agravar-se, passando a capitais próprios negativos de 2500 milhões de euros.

Parte da dívida que ficou por registar nas contas de 2012 foi contraída por empresas do grupo em situação económica difícil. O problema seria maior se a dívida da ESI colocada no ano passado como papel comercial juntos dos clientes do BES estivesse por saldar, mas “dos 2000 milhões que chegaram a estar colocados junto de clientes, apenas 300 milhões estão hoje por devolver aos particulares, o que acontecerá nos próximos meses”, escreve o Expresso.

Houve uma negligência grave. Dolo acho que não”, afirmou Ricardo Salgado, numa entrevista publicada na quinta-feira no Jornal de Negócios a propósito do tema.

No prospecto da oferta, um dos motivos pelos quais o BES admitia que a sua reputação pudesse vir a ser posta em causa prendia-se com o facto de alguns antigos administradores da ESI serem também administradores do banco.

Na entrevista ao Negócios, Ricardo Salgado afirmou nada saber sobre a situação, garantindo ter sido apanhado desprevenido. A responsabilidade, explicou o banqueiro, foi admitida pelo responsável das contas da ESI, no Luxemburgo, Francisco Machado da Cruz, que entretanto pediu a demissão.