As imperfeições de Owen Pallett

Foto
PeterJuhl

Ao quarto álbum, "In Conflict", o músico canadiano volta a aliar naturalmente a formação clássica com a sensibilidade pop, em canções orquestrais que falam sobre a impossibilidade da perfeição mas querem estar para lá de todas “as histórias à volta”

Depois dos álbuns Has A Good Home (2005) e He Poos Clouds (2006), o canadiano Owen Pallett viu-se obrigado a deixar cair a designação Final Fantasy que até aí adoptara, assumindo o seu nome próprio. Aquando da edição do terceiro álbum, Heartland (2010), confessava-nos que depois de assumir o seu nome se vira obrigado a adoptar um ponto de vista mais pessoal nas canções: “Seria como mentir a mim próprio se não o fizesse”, dizia então. 

No novo álbum, In Conflict, leva esse propósito mais longe. Antes permitia-se fantasiar e criar ficções delirantes. Agora fala a partir de si. “A verdade é que fui directo como nunca tinha sido, expondo conflitos internos, mas as minhas canções e letras continuam um pouco impenetráveis para a maior parte das pessoas”, ri-se.

Nos seus discos existe sempre um ponto de partida, uma narrativa, um conceito. Agora também, embora não deseje falar muito disso,. Vai dizendo que “a impossibilidade da perfeição” foi a grande motivação. “No fim de contas, gostava era que as pessoas se concentrassem nas canções e deixassem as histórias à volta delas, porque isso é secundário.” Talvez. Mas existem narrativas que nos ajudam a perceber a realidade da sua obra. 

No dia em que falámos, discutia-se o vídeo viral em que se vê alegadamente a irmã de Beyoncé, a também cantora Solange, a tentar agredir o cunhado, o rapper Jay-Z, num elevador de hotel. “É incrível como é que a partir de um acontecimento daqueles se conclui que a Solange é doida e perturbada e outras coisas que tais. Passamos o tempo a criar etiquetas e é por isso que tenho algum pudor em falar sobre estas canções. Elas estão lá. Isso basta. Funcionaram para mim como qualquer coisa de reflexivo. Falam de conflitos, solidão, depressão e questões identitárias, mas a partir de um prisma que considero muito empático e humano.” 

Mais espaço 

O que se mantém no Owen Pallett de In Conflict é a sonoridade orquestral e emocional — uma sonoridade circular, estimulando a intimidade, mas que no novo álbum é bem mais expressiva, com as variações do seu violino e a sua voz a proporem um novo campo de possibilidades. 

Existem também mais constituintes electrónicos e um convidado especial, Brian Eno, favorecendo a utilização de elementos mais ambientais. “Não foi por aí”, garante Owen Pallett, “a nossa colaboração foi muito circunscrita e profissional, mas sim, diria que neste disco existe mais espaço, mais respiração, apesar de a componente rítmica estar mais presente em algumas canções.” 

É um álbum de canções pop sobre a imperfeição humana, com arranjos neoclássicos, feitas a partir de piano, de violino ou da electrónica envolvente. Na próxima terça-feira, 27, Owen Pallett estará no Lux, em Lisboa, com a sua formação, para apresentar o novo álbum. 

Na semana seguinte, a 31, estará de regresso a Lisboa, desta vez para pisar o palco do Rock In Rio com os Arcade Fire, com quem colabora desde o início, e que na presente digressão acompanha como músico convidado. “A diferença são os hotéis”, ri-se, quando lhe perguntamos sobre as diferenças entre andar na estrada a solo ou com o grupo canadiano. “Acaba por ser uma experiência diferente para mim, algo que me permite pagar as contas ao fim do mês e, ao mesmo tempo, viajar pelo mundo com um grupo de amigos de que gosto”, resume. 

Outra colaboração recente deu-se com o compatriota Dan Snaith, mais conhecido como Caribou, com quem registou um EP numa linha mais dançante do que é habitual nele. E há também essa história de ter sido nomeado para os Óscares, pela banda-sonora de Uma História de Amor, o último filme de Spike Jonze. “Esse tipo de cerimónias serve para isso, para fazer perceber aos nossos familiares ou amigos que não errámos na actividade, mas pouco mais”, afirma, apesar de ter recebido novos convites para compor para cinema. 

Em quase todas as entrevistas confrontam-no com o facto de ter tido um percurso académico e de se movimentar na actualidade em cenários pop, mas a pergunta nunca lhe fez sentido, diz ele. “Nunca foi uma questão para mim. Cresci a tocar e a ouvir Bach, My Bloody Valentine ou Stockhausen. É como alguém lhe perguntar porque é que é de Lisboa. Não há resposta para isso. Quer dizer, é um facto de todos os dias. Está integrado em mim.”

Por falar em Lisboa, essa é uma das suas cidades predilectas. O seu anterior álbum nasceu na capital portuguesa, deambulando por ela, conhecendo os seus recantos, os seus restaurantes e a sua vida cultural. Agora diz-se ansioso por regressar. “Sei que é um cliché, mas a verdade é que aí, nessa cidade, me sinto sempre em casa.”

 

****
Owen Pallett
In Conflict
Domino; distri. Edel