Fundo detido pelo Governo de Pequim concorre à privatização da EGF

Sete candidatos entregaram propostas não vinculativas pela empresa.

Jorge Moreira da Silva acredita que Portugal pode ser um fornecedor de energia renovável na UE
Foto
Jorge Moreira da Silva, ministro do Ambiente Rui Gaudêncio

O Beijing Capital, fundo detido pelo Governo Municipal de Pequim, entregou uma proposta não vinculativa pelo capital da EGF, holding pública de gestão dos resíduos sólidos urbanos, cuja privatização se encontra suspensa devido a uma providência cautelar apresentada pelos seis municípios accionistas da Resulima.

O PÚBLICO sabe que este fundo, que é o braço financeiro do Beijing Capital Group, conglomerado detido pelo Governo Municipal de Pequim, foi um dos sete candidatos a entregar na Parpública uma proposta indicativa por 100% do capital da EGF.

O Beijing Capital Group tem interesses no sector financeiro, no imobiliário e nas águas e ambiente, sendo dono da Beijing Capital Co, a maior empresa chinesa do sector das águas, com presença em mais de 20 cidades, nas províncias de Anhui, Shandong, Jiangsu and Zhejiang.

De acordo com a página de Internet do grupo, o Beijing Capital Group, que se define como um “conglomerado influente” cuja marca tem um elevado nível de reconhecimento por toda a China, tem a sua actividade assente em três pilares: o sector financeiro, com destaque para a banca de investimento, a construção imobiliária e o desenvolvimento de infra-estruturas de transportes e de tratamento de águas e ambiente.

O site indica ainda que o Beijing Capital Group tem 32 escritórios na China e emprega 6300 pessoas nas suas subsidiárias, seis das quais cotadas nas bolsas de Hong Kong, Xangai e Shenzen. No seu portefólio incluem-se ainda participações accionistas em diversas empresas cotadas. O grupo destaca que tem entre os seus objectivos estratégicos o estabelecimento de parcerias internacionais para reforçar a competitividade das suas operações.

Nesta quinta-feira, seis municípios que intentaram uma providência cautelar para suspender a privatização foram informados de que tinha sido liminarmente aceite pelo Supremo Tribunal Administrativo.