Morreu D. Eurico Dias Nogueira, arcebispo emérito de Braga

O único prelado português ainda vivo a participar no Concílio Vaticano II tinha 91 anos.

O antigo bispo de Braga numa foto de arquivo, de 2004
Foto
O antigo bispo de Braga numa foto de arquivo, de 2004 PÚBLICO

O arcebispo emérito de Braga, Eurico Dias Nogueira, morreu na noite desta segunda-feira depois de "internamento súbito" no hospital. A informação está na página na Internet da arquidiocese de Braga, onde também se lê que o corpo de Eurico Dias Nogueira será trasladado a partir das 10h desta terça-feira para a Sé Catedral de Braga.

A missa exequial realiza-se na quarta-feira, às 15h30.

A Rádio Renascença, emissora católica, lembra, na sua página online, que onde esteve – Moçambique, Angola e depois do 25 de Abril, em Portugal – D. Eurico Nogueira sempre “emprestou o melhor da sua reflexão e entusiasmo” a “causas como o rejuvenescimento da Igreja, o ecumenismo e a liberdade”. E descreve o bispo como dialogante, mas firme, corajoso e humilde, portador da transparência dos simples e habitado pela grandeza do perdão.

Em 2012, numa homenagem que lhe prestou em Braga, o seu sucessor D. Jorge Ortiga considerou que a vida de Eurico Dias Nogueira era uma "lição" e um "testemunho missionário".

Com 91 anos, D. Eurico Dias Nogueira era o único prelado português ainda vivo a ter participado no Concílio Vaticano II (1962). Participou nas sessões finais, já como bispo de Vila Cabral, em Moçambique, actualmente a cidade de Lichinga (província do Niassa), no mesmo ano da sua ordenação episcopal, em Coimbra, em 1964. O Concílio Vaticano II terminou em 1965.

“Ouvi a convocação do Concílio com muito entusiasmo", disse da experiência numa entrevista à Agência Ecclesia em 2012. "No início, parecia que o Vaticano, a Santa Sé, quis dominar e orientar as coisas só por ela, mas houve uma reacção forte da periferia. (…) O Concílio tornou-se um lugar de discussão clara, pública e sem reservas, mas terminado verificou-se que havia uma tendência, de novo, da Santa Sé para centralizar”, acrescentou, dizendo que defendia a realização de um Concílio de “50 em 50 anos”. Ou “no máximo de 100 em 100 anos”.

Disponibilidade para reflectir
D. Eurico Dias Nogueira nasceu em Dornelas do Zêzere, Coimbra, em 1923, frequentou o Seminário de Coimbra e foi ordenado sacerdote em 1945.

Depois de, em 1964, ter sido ordenado bispo também em Coimbra, foi transferido, em 1972, para Sá da Bandeira, em Angola, tendo o papa aceitado, cinco anos depois, o seu pedido de resignação da então elevada arquidiocese de Lubango. Nesse ano, 1977, foi nomeado arcebispo de Braga, entregando a diocese ao seu sucessor D. Jorge Ortiga, apenas em 1999.

Publicou vários livros, foi juiz de segunda instância do Tribunal Eclesiástico, leccionou em cursos de pós-graduação para juristas e advogados. E residia, nestes últimos anos, no Seminário Conciliar de Braga.

Ainda à agência de notícias da Igreja Católica em 2012 afirmou que, como bispo emérito, se sentia “mais à vontade” e com “outra disponibilidade para reflectir”. Também recordou os anos que passou em África quando "criticava algumas posições do Governo" e era considerado comunista.

Críticas à descolonização
Nessa altura, quando vigorava a ditadura do Estado Novo, "não dizer bem do Governo era automaticamente ser [considerado] comunista", lembrou. “[Isso] Era um exagero. São histórias sem fundamento”, disse, justificando as críticas: “O Governo podia ter encaminhado as terras de África para a independência de outra forma, tal como o fez no Brasil. Podíamos ter feito de Angola e Moçambique dois ‘brasis’”. No seu entender, isso teria permitido a muitos portugueses “continuarem lá”. “O Governo não teve capacidade para isso.”

Foi também em 2012 que D. Eurico Dias Nogueira considerou, numa entrevista à Antena 1, que a Igreja Católica “esteve demasiado tempo calada” sobre os casos de pedofilia, lamentou a opção da instituição de “abafar” os escândalos e afirmou ter informações sobre esse tipo de casos na Igreja Católica Portuguesa.