DR
Foto
DR

Megafone

Helena Costa: a última barreira do futebol foi quebrada

Se a experiência corre bem ou não, só a próxima época o dirá, mas após abrir mentalidades no Irão e no Qatar, com excelentes trabalhos nas selecções femininas, Helena Costa volta a ser motivo de orgulho para o país ao quebrar esta última barreira

Clermont-Ferrand é uma cidade francesa no coração do país gaulês, famosa pelas indústrias de pneus Michelin, que foram fundadas na cidade. Para além disto, junta ainda um património cultural riquíssimo com destaque para a catedral Notre-Dame-de-l'Assomption e a basílica românica de Notre-Dame-du-Port.

Com 24 anos de história, o Clermont Foot insurge-se como o principal destaque desportivo da região. Clube de pequena expressão francesa milita actualmente no décimo quarto lugar da segunda divisão francesa. No entanto, este pequeno clube quebrou a última barreira do futebol, tomando a arriscada decisão de nomear a portuguesa Helena Costa como treinadora da equipa principal.

Após um percurso pouco vistoso nas camadas jovens do Benfica, a treinadora já tinha chamado a atenção para o óptimo trabalho realizado nas selecções femininas do Irão e do Qatar, contribuindo assim para que o papel da mulher no mundo islâmico fosse cada vez mais uma realidade e uma presença constante. Recentemente, encontrava-se a colaborar com os escoceses do Celtic na prospecção de jogadores.

O anúncio surpreendeu tudo e todos, gerando uma onda de entusiasmo e admiração um pouco para toda a França, quebrando-se assim todos os preconceitos ainda existentes relativamente à presença do sexo feminino no desporto-rei. Apesar da surpresa, a notícia recebeu vários comentários elogiosos, desde o presidente Blatter da FIFA, a Platini, presidente da UEFA, até à ministra da Igualdade francesa, Najat Vallaud-Belkacem.

Claude Michy, presidente do clube afirmou que quis aproveitar a oportunidade para marcar a diferença e assim tomar a decisão arrojada de contratar a portuguesa, afirmando que este preconceito tinha de ser quebrado, reforçando a ideia, dando o exemplo da presença positiva das mulheres no mundo político um pouco por toda a Europa. Os próprios jogadores do clube mostram-se surpresos, mas curiosos e expectantes com esta nova aventura, como relata o defesa Anthony Lippini: “Estou muito curioso. Vai ser uma experiência única.”

Se a experiência corre bem ou não, só a próxima época o dirá, mas após abrir mentalidades no Irão e no Qatar, com excelentes trabalhos nas selecções femininas, Helena Costa volta a ser motivo de orgulho para o país ao quebrar esta última barreira. É mais um preconceito que desaparece e que o exemplo da treinadora portuguesa e do clube francês seja seguido e divulgado por todo o mundo.

Sugerir correcção