Uma das Bíblias Lunares foi vendida em leilão

Do tamanho de um selo, 12 Bíblias em microfilme estiveram na superfície da Lua, numa das missões Apolo.

Microfilme da Bíblia que esteve na Lua em 1971, na missão Apolo 14
Fotogaleria
Microfilme da Bíblia que esteve na Lua em 1971, na missão Apolo 14 Heritage Auctions
Fotogaleria
Aspecto geral da Bíblia Lunar Heritage Auctions

Um microfilme da Bíblia considerado um dos “livros” mais raros da Terra – que primeiro voou à volta da Lua na missão Apolo 13 e depois esteve na superfície lunar na missão Apolo 14 – foi vendido por 75 mil dólares (cerca de 54.900) num leilão em Dalas, nos Estados Unidos.

Com 3,8 centímetros por 3,8 centímetros, a Bíblia Lunar pode ser lida com um microscópio e é uma das 12 Bíblias completas foi até à superfície da Lua com o astronauta Edgar Mitchell, em 1971. “Este pequeno microfilme contém a Bíblia completa, todas as 1245 páginas [da versão] da Bíblia do Rei James, tanto o Antigo Testamento como o Novo”, disse o historiador Michael Riley, da leiloeira Heritage Auctions, com sede em Dalas, que organizou esta quarta-feira um leilão de memorabilia espacial.

As Bíblias foram produzidas pelo grupo Apollo Prayer League, que começou com funcionários da agência espacial norte-americana NASA e se disseminou por todo o planeta utilizando as viagens do homem à Lua para espalhar a palavra de Deus, segundo explica a leiloeira.

O comandante da Apolo 13, Jim Lovell, levou 512 Bíblias, cada uma do tamanho de um selo, na missão que deveria ter pousado na Lua em 1970. A alunagem não chegou a acontecer, porque a explosão de um tanque de oxigénio durante o voo danificou gravemente a nave (a primeira missão a pousar na Lua foi a Apolo 11, em 1969, e a última foi a Apolo 17, em 1972, tendo ao longo delas 12 homens pisado o nosso satélite natural).

Ao longo dos anos, a maioria das 512 Bíblias foi cortada aos bocados e oferecida a várias personalidades. Doze dessas Bíblias que restaram foram depois entregues pelo reverendo John Stout, da Apollo Prayer League, ao astronauta Edgar Mitchell, para que ele as levasse até ao solo lunar. Uma delas está em exposição no Vaticano até 22 de Junho, escolhida para essa iniciativa tal como fragmentos dos Manuscritos do Mar Morto, segundo a Rádio Vaticano.

Entre as outras estrelas do leilão, encontrava-se uma variedade de objectos da colecção particular do astronauta Alan Bean, da missão Apolo 12, incluindo um cinto que utilizou durante um passeio espacial de oito horas em Novembro de 1969. Ainda com vestígios de pó lunar, o cinto foi vendido por 93.750 dólares (cerca de 68.000 euros).