Nacho Doce/Reuters
Foto
Nacho Doce/Reuters

Um sistema educativo doente

A excessiva centralização da educação cessa a criatividade individual das escolas, a possibilidade de se reinventarem e de se tornarem eficazes no contexto sociocultural a que pertencem

O Ministério da Educação pode avançar com a Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades para os professores contratados com menos de cinco anos de serviço, por decisão do tribunal. No meu entender, a avaliação deve abranger todos os professores e estou certo de que bons professores, os que amam ensinar e se dedicam inteiramente à nobre causa da educação, não terão qualquer problema em mostrar as suas capacidades, fazendo-o com orgulho. A avaliação faz bem e estimula, ela própria, a valorização pessoal. Há, no entanto, muito que reflectir sobre o peso que esta avaliação pode ter e como deve realmente ser feita. Contudo, achar que esta deve ser uma das prioridades para melhorar a qualidade do ensino português é errado.


Tive o prazer de em 2013 passar por inúmeras escolas, integrando um programa de ensino para despertar a curiosidade dos alunos para as ciências exactas. Acompanhei dezenas de turmas e assisti a outras tantas reuniões de professores. O que vi, o que senti, pouco ou nada reflectia incompetência ou falta de capacidade dos professores. Assisti sim, a um sistema doente.


As orientações, com vista a melhorar o sistema educativo, continuam a assentar numa padronização do ensino regido por uma série de linhas protocolares rectas. A continuação desta forma de gestão não só tornará o ensino ainda mais doente como acabará por matá-lo. As escolas estão inseridas em ambientes diferentes e, por isso, deverá caber a cada professor escolher, de um programa geral, que conteúdos abordar. Ninguém melhor que os professores, em situações concretas, sabe como tirar o melhor partido de cada turma, de cada aluno. Este deverá ser o primeiro passo. É inegável que há um desinteresse, na grande maioria dos alunos, pela aquisição de conhecimentos. Contudo, também este facto muito em parte se deve a um impedimento dos professores poderem inovar nas suas metodologias de ensino. O sistema implementado é, não só um bloqueio ao talento dos professores mas, pior que tudo, ao talento natural de cada aluno. A excessiva centralização da educação cessa a criatividade individual das escolas, a possibilidade de se reinventarem e de se tornarem eficazes no contexto sociocultural a que pertencem.


Ken Robinson, consultor internacional em matérias para a educação, disse numa conferência: “Todos os dias, em todo o mundo, as nossas crianças estendem os seus sonhos aos nossos pés. Sejamos suaves ao pisar”. O nosso sistema educativo tem evoluído no sentido de esmagar esses sonhos e, como aqui em tempos escrevi, não há futuro sem sonho.

Sugerir correcção