Mário Soares afirma que "neste momento não há direitos humanos" no país

Soares considera Passos Coelho um "discípulo reverente" de Merkel
Foto
Soares considera Passos Coelho um "discípulo reverente" de Merkel Foto: Rafael Marchante/Reuters

O antigo presidente da República Mário Soares afirmou esta segunda-feira que "neste momento não há direitos humanos" em Portugal porque o Governo tem pensado apenas no "dinheiro e nos mercados" e "nunca falou com o povo".

Numa conferência organizada pela Amnistia Internacional (AI), em Lisboa, o ex governante afirmou: um "Governo que só pensa no dinheiro e nos mercados é evidente que só pode fazer asneiras e é o que tem estado a fazer".

Segundo Mário Soares, em três anos e meio de governação da coligação PSD/CDS-PP, "nunca se pensou em direitos humanos". "Direitos humanos, onde é que eles estão ?", questionou Mário Soares, garantindo que "neste momento não há direitos humanos em Portugal" e que a "grande maioria do povo não tem dinheiro para comer e os seus filhos vão ao caixote do lixo".

Lembrando viver-se uma crise europeia e a austeridade imposta "pela senhora [Angela] Merkel", Mário Soares citou o Papa Francisco para referir que a "austeridade mata". "Mais austeridade e lá vamos nós perder muitas pessoas. A quantidade de gente inteligente que desapareceu das universidades", comentou o socialista, lamentando as situações "dificílimas" de cientistas e professores.

Para o antigo primeiro-ministro e Chefe de Estado "a grande maioria do povo português está contra o executivo", que "nunca dialogou com ninguém". "Este Governo nunca falou em direitos humanos, tal como nunca falou com o povo, desde o Presidente da República aos membros do Governo", notou Mário Soares, justificando essa ausência com o facto de os governantes actuais "serem vaiados cada vez que saem à rua". "Não podem sair à rua e nunca se viu uma coisa assim no país", comentou.

Na sua intervenção, o antigo dirigente socialista resumiu que a União Europeia vive a "maior crise vivida até hoje, que é da responsabilidade da chanceler Merkel e de outros dirigentes da zona europeia que a ela têm obedecido".
"Tornaram-na, ao que parece, dona dessa mesma zona euro, mas não é com certeza dona", argumentou Mário Soares para quem a "democracia, o Estado social e os direitos do homem estão, no actual contexto europeu e português, pelas ruas da amargura".

Na origem da situação social está o desaparecimento dos partidos que fundaram a União Europeia: os "sociais-democratas ou socialistas e os democratas cristãos". "Os partidos desapareceram e foram substituídos por partidos exclusivamente populistas e que às vezes se tomam por sociais-democratas, como é o caso português", afirmou.

Questionado depois da conferência acerca da saída limpa do programa de resgate financeiro, Mário Soares respondeu apenas que o "importante é que este Governo saia".