Foto

Megafone

Richie, who else?

Há um sem número de razões que colocam Richie McCaw, o histórico capitão dos All Blacks, num patamar diferente de outros grandes jogadores de râguebi

A última partida que Richie McCaw fez, e que terminou com a vitória dos Crusaders frente aos Brumbies por 40-20 é só mais um exemplo de genialidade. McCaw, que fazia o primeiro jogo depois de mais de dois meses de paragem devido a lesão, foi o atleta em campo com mais placagens (20), tendo realizado mais do dobro das placagens do que o melhor jogador dos Brumbies conseguiu nessa área do jogo.

Richie é, sem dúvida, um jogador genial! Um dos melhores de sempre na sua posição. Domina, como muito poucos, as várias áreas onde um 3.ª linha tem de se destacar:

Em primeiro lugar, Richie McCaw é um grande placador sendo, regularmente, um dos 2/3 melhores dos jogos em que participa.

A excelência da sua acção no jogo no chão é, talvez, a sua característica mais conhecida e apreciada. É quase sempre, em qualquer jogo, o jogador que chega mais vezes em primeiro lugar a uma situação de placagem (muitas vezes, ainda antes de o "ruck" estar formado) o que, juntando à sua excelente posição corporal que lhe permite aguentar-se de pé durante mais tempo o torna numa ameaça enorme ás equipas adversárias.

Mas não é só na parte técnica que Riche McCaw se destaca. O seu conhecimento profundo da lei do jogo, e o treino constante que faz da sua interpretação leva-o a ser um grande tomador de decisões nesta área. É comum, vê-lo optar por não disputar a bola, preferindo lutar por se manter numa posição de ameaça em que obrigue a equipa adversária a gastar homens para o “limpar”.

O transporte de bola foi uma técnica que foi desenvolvendo e melhorando ao longo do tempo, e agora é, muitas vezes, uma das áreas em que mais se destaca.

A posição com que o faz, com o ombro sempre à frente da linha da bola torna-o mais difícil de derrubar e, por isso, consegue ganhar mais metros para a sua equipa.

A sua qualidade é, reconhecida por todos. Treinadores e adversários. Na preparação para o jogo da última sexta-feira, Laurie Fisher, director dos Brumbies, dizia sobre o jogador neozelandês: “É um competidor infernal! Um grande guerreiro. [Quando o McCaw está em campo] nunca há ensaios fáceis.” Disse ainda que é um dos que "nunca desiste". "É duro à volta do 'ruck' e compete por tudo. O resto da sua equipa motiva-se com isso e segue-o. É mesmo um grande guerreiro!”

Fisher sabia-o. O regresso de McCaw ia ser um osso duro de roer. E o resultado final, prova que tinha razão.

Sugerir correcção