Notas inflacionadas das privadas permitem ultrapassar até 450 colegas

Diferença nas classificações de acesso ao ensino superior para os alunos dos estabelecimentos públicos podem chegar a ser superiores a um valor. Escolas sem contrato de associação são as mais beneficiadas.

Estudo tem por base os exames nacionais dos últimos 11 anos
Foto
Estudo tem por base os exames nacionais dos últimos 11 anos Dato Daraselia

Frequentar uma escola privada no secundário permite uma subida das notas de acesso ao ensino superior que pode chegar a ser superior a um valor. Esta inflação nas classificações tem permitido a estes alunos ganhar a competição com outros colegas, permitindo-lhes ultrapassar mais de 450 colegas na lista de seriação dos candidatos em cursos mais concorridos. As conclusões são de um estudo de investigadores do Porto e tem por base os exames nacionais dos últimos 11 anos.

Pegando no exemplo do curso que teve média de acesso mais elevada no último ano lectivo, Medicina da Universidade do Porto, é possível a um aluno com uma nota inflacionada em 1 valor subir 471 posições na lista de acesso. Nesta licenciatura a nota de entrada do último candidato foi de 18,35 valores, o que corresponde ao lugar 504 da seriação. Com um valor a mais, o candidato chegaria ao lugar 33, um incremento de 93%. “A nota meio valor acima desta corresponde já ao lugar 182 da lista de acesso, representando uma subida de 64%”, aponta Gil Nata, um dos co-autores deste estudo. Esta conclusão aplica-se de forma transversal à generalidade das licenciaturas. Os investigadores portuenses dividiram os cursos superiores por quartis, verificando o impacto do incremento das notas para as primeiras licenciaturas de cada quartil. Deste modo, concluíram que nos dez cursos com médias mais altas, os impactos das subidas das notas são “brutais”: meio valor corresponde a uma subida média de 60% na lista de acesso e um valor a uma subida de 90%.

As discrepâncias nas notas são calculadas relativamente às diferenças médias a nível nacional entre os resultados das provas nacionais (classificação externa) e aquela que lhes é atribuída nas escolas de origem (classificação interna). Para Gil Nata, não fará, por isso, sentido argumentar que é normal existirem diferenças entre as notas internas e as classificações nos exames. “As diferenças apresentadas no gráfico dizem respeito aos desvios de cada um dos tipos de escola relativamente à média dos desvios nacionais”, sublinha o investigador.

Estas conclusões constam de um artigo assinado por Gil Nata, Maria João Pereira e Tiago Neves, investigadores do Centro de Investigação e Intervenção Educativas (CIIE) da Universidade do Porto, incluído no último número do The International Journal of Higher Education Research, da editora Springer, uma revista internacional de referência na área das Ciências da Educação.

No artigo, os investigadores do CIIE sustentam que os estudantes das escolas privadas, que são, em regra, “mais ricos”, “beneficiam de uma vantagem injusta na competição pelos escassos lugares disponíveis no ensino superior público”. Em causa estão “diferenças muitíssimo significativas ao nível de acesso ao ensino superior”, explica ao PÚBLICO Gil Nata, que é também professor na Universidade Portucalense. Os investigadores do CIIE do Porto analisaram mais de três milhões de classificações de estudantes durante 11 anos e concluíram que a tendência observada é transversal: “Todos os anos se verifica a mesma coisa”. O estudo oferece também “evidência científica para um problema social que já era conhecido e comentado”, refere ainda, defendendo que as conclusões agora apresentadas deveriam ser o ponto de partida para uma reflexão acerca do modelo de acesso ao ensino superior.

Os mesmos especialistas em Ciências da Educação tinham publicado, em Julho de 2012, no International Journal on School Disaffection, uma primeira versão deste estudo, no qual revelavam que as diferenças entre os estudantes das escolas privadas tinham um benefício médio de 0,5 valores em relação aos da escola pública. Nessa altura apontavam “que de forma sistemática existe um padrão de diferença entre a classificação interna e a classificação externa que tem favorecido os estudantes das escolas privadas”.

Essas conclusões são agora reforçadas, uma vez que o trabalho agora divulgado aprofunda essa reflexão, acrescentando os dados dos anos lectivos 2010/2011 e 2011/2012 e afinando a análise no que toca às escolas privadas.

O CIIE separou as escolas privadas entre aquelas que têm contrato de associação com o Estado e as escolas privadas sem qualquer relação com o sector público. O estudo concluiu que a prestação das escolas com contrato de associação fica bastante próxima da das escolas públicas, provocando uma inflação nas notas dos seus estudantes que é de apenas 0,2 valores.

A grande diferença acontece nas escolas privadas sem contrato de associação, que se distanciam bastante quer das escolas públicas, quer das privadas com contrato de associação. O incremento é sempre superior a meio valor e pode chegar, para os estudantes com notas entre o 12 e o 15, a um valor. “As escolas privadas independentes estão a beneficiar bastante mais do que as que têm contratos de associação”, aponta Gil Nata.