As pernas de David já não aguentam o peso da escultura de Miguel Ângelo

Obra corre o risco de ruir, alertam os especialistas.

A escultura está em exposição na Galleria dell'Accademia, em Florença
Fotogaleria
A escultura está em exposição na Galleria dell'Accademia, em Florença Reuters
Fotogaleria
Escultura tem cinco metros de altura Reuters
Fotogaleria
Intervenção de restauro ficou concluída em 2004 AFP
Fotogaleria
Intervenção de restauro ficou concluída em 2004 Reuters
Fotogaleria
Reuters

Em causa está a própria inclinação da escultura que pode pôr em perigo a integridade da própria obra, alerta o estudo feito pelo Conselho Italiano de Investigação (CNR ) em parceria com a Universidade de Florença. Segundo os especialistas, a inclinação é de 5 graus mas o peso da escultura que é 5,5 toneladas faz com que a pressão na parte inferior da obra provoque a sua degradação ao longo do tempo, em especial na perna direita, que suporta grande parte da obra.

Este não é no entanto um problema de agora. A escultura de mármore foi criada entre 1501 e 1504 por Miguel Ângelo e ao longo dos séculos foi alvo de algumas intervenções para se manter em bom estado de conservação. As fissuras que agora parecem comprometer a obra foram sendo cobertas com gesso mas têm tendência a reaparecer.

Segundo a BBC, estas fissuras são mais visíveis nos tornozelos da estátua de cinco metros de altura. Mas de acordo com os investigadores, muito se deve ao facto de a estátua ter estado exposta por mais de três séculos na praça principal de Florença. Em 1873 a obra foi transferida para a Galeria da Academia, onde tem estado até hoje em exposição ao público.

Giacomo Corti, um dos investigadores envolvidos neste estudo, explicou ao La Repubblica que a inclinação que agora ameaça a estátua terá sido causada pela “escassa uniformidade” do plinto onde assentava a estátua entre 1504 e 1873, altura em que permaneceu ao ar livre em frente ao Palazzo Vecchio (Palácio Velho) na Praça da Senhoria. Nos últimos anos, a obra foi alvo de múltiplas limpezas e análises.

A última vez que David foi sujeito a uma grande intervenção de restauro foi em 2004.