O futuro da democracia está numa escola "sem esquinas"

Chama-se Livro Livre e é um projecto que está a começar agora para levar o 25 de Abril a crianças de todo o país, durante todo o ano. As crianças são convidadas a preencher as páginas com histórias de familiares e conhecidos que viveram a Revolução dos Cravos.

Fotogaleria
Capas do Livro Livre ilustradas por crianças do ensino básico
Fotogaleria
Ilustração da capa de Carolina Santos
Fotogaleria
Ilustração da capa de Rita Pereira
Fotogaleria
Carolina Santos responde à pergunta "O que significa viver em liberdade?"
Fotogaleria
A visão de Iolanda Tavares sobre as manifestações, a alfabetização e o MFA há 40 anos
Fotogaleria
Tomás entrevistou Rafael Galego, preso e torturado pela PIDE
Fotogaleria
Rafael Galego distribuía o jornal Avante às escondidas
Fotogaleria
Foto e testemunho de uma entrevista registada por um aluno do Externato Champagnat
Fotogaleria
O João Barateiro entrevistou o avó Jaime sobre os tempos em que esteve emigrado em Angola
Fotogaleria
João Barateiro anexou ao livro uma foto da avó em 1974
Fotogaleria
João ilustrou os ideais do 25 de Abril
Fotogaleria
Rita Pereira conta as histórias dos seus avós no tempo da ditadura
Fotogaleria
A avó de Rita Pereira em 1974
Fotogaleria
Tomás Vicente aceitou o desafio do Livro Livre
Fotogaleria
O Tomás Vicente acredita que "O voto decide"
Fotogaleria
A Revolução dos Cravos é a "poesia" que saiu à rua, na ilustração de Tomás Vicente

“Um menino desenhou uma escola redonda, sem esquinas para todos se verem e com muitas janelas”. Outro menino, que antes pouco sabia do 25 de Abril, descobriu que afinal “o seu avô é um herói”. São histórias de crianças que não viveram a revolução mas que têm pais, avós e vizinhos que sofreram na pele a repressão da ditadura. Lembraram-se de pedir aos meninos que investigassem essas histórias, recolhessem fotografias e ilustrassem propostas para o futuro. Os pequenos “jornalistas” puseram mãos à obra e escreveram livros “livres”.

O conceito é o de um livro quase em branco, em que o leitor é convidado a participar na obra como co-autor. O público-alvo são as crianças, que devem preencher o livro com desenhos, testemunhos de pessoas mais velhas, fotografias, recortes e tudo mais que conseguirem recolher sobre o derrube da ditadura e a luta pela democracia.

O livro, uma iniciativa da editora Lupa para comemorar os 40 anos do 25 de Abril, contém breves enquadramentos históricos e algumas ilustrações, mas o objectivo é mesmo estimular a criatividade das crianças, apelando ao espírito de liberdade e sensibilizando para a importância histórica do 25 de Abril e de todas as conquistas que a revolução permitiu. Os mais pequenos são incentivados a resgatar as memórias de quem viveu a ditadura e a transição para a democracia e a registar essas experiências. O projecto envolve também os mais velhos e leva-os a reflectir sobre a importância de viver em liberdade.

A parte mais “séria” do livro ficou a cargo de Francisco Bairrão Ruivo. Doutorado em Setembro de 2013, o historiador explicou ao PÚBLICO que a ideia surgiu precisamente depois de ter defendido a sua tese de doutoramento, em conversa com Danuta Wojciechowska, conhecida de longa data e directora de criação na Lupa. O historiador, que até agora sempre trabalhou no meio académico e na área da investigação, contou que o principal desafio do Livro Livre foi escrever os enquadramentos com rigor histórico, mas de uma forma que as crianças pudessem compreender. “Ainda assim, tive sempre a preocupação de não escrever de forma simplista, infantil, ou mesmo paternalista”, explica. O historiador teve oportunidade de ver já alguns livros preenchidos e considera particularmente interessante a parte das entrevistas que as crianças têm de fazer aos mais velhos. “Para mim, enquanto historiador, é muito interessante ver o que as pessoas transmitem e o que realçam sobre a revolução.”

Histórias “livres”

O Tomás Silva tem 10 anos e vive em Santo Antão do Tojal, Loures. Foi uma das crianças que aceitaram o desafio de preencher o Livro Livre com as suas investigações sobre o 25 de Abril. Entrevistou o senhor Rafael Galego, que tinha 23 anos em 1974. O entrevistado residia, na altura, no Bairro do Bom Sucesso em Alverca e começou a ter actividade política aos 15 anos. Confessa que, há 40 anos atrás, vivia atormentado com a possibilidade de ser mobilizado para a guerra colonial. A polícia de Salazar era, incontornavelmente, um dos mais repressivos instrumentos da ditadura, sobretudo para os que secretamente se opunham à ditadura. “A PIDE seguia as pessoas de uma maneira seleccionada, ou seja, fazia a vigilância visual, censura à correspondência, vigilância aos telefones e seguia as denúncias de vizinhos, ‘os bufos’” mas, ainda assim, havia quem arranjasse maneira de contornar a falta de liberdade, revelou Rafael Galego ao Tomás. “Nesse tempo utilizávamos um subterfúgio que eram as reuniões a propósito de um tema, como ver um filme ou uma peça de teatro. Chamávamos a isso mesas redondas, que era uma forma de estabelecermos a discussão, mas era discreta.”

O João Barateiro participou no concurso da Biblioteca de Vila Velha de Ródão. Entrevistou o avô Jaime que, em 1954, partiu para Angola à procura de emprego e de melhores condições de vida. Jaime regressou a Portugal em 1961, quando sentiu que a tensão entre Portugal e Angola estava a intensificar-se. Quis fugir à guerra colonial, mas contou ao neto que os tempos em Luanda (capital angolana) deixaram saudades. “Quando o meu avô fala daqueles tempos, sempre se recorda com muita saudade”, conta João no livro. “Arranjou amigos, colegas, camaradas e trabalho… viviam intensamente o dia-a-dia. Tinham à disposição coisas que aqui no “Puto” [Portugal] não tinham… Fruta tropical à disposição e marisco a bom preço.” João contou ainda que os avós voltaram sem posses, mas também “sem sequelas na alma”. Restou somente a “eterna esperança de lá voltar um dia”.

A pequena Madalena Brandão, de 10 anos, é aluna da Escola Básica do 1.º ciclo com Jardim-de-infância de S. José, em Lisboa, e quis preencher uma página do seu livro livre com um poema sobre a liberdade. “A liberdade de aquele dia/Quem diria/toda a gente livre e feliz./Agora pensa-se como quem diz:/liberdade é viver.”

A quatro mãos

A Biblioteca Júlio Batista Martins de Vila Velha do Ródão (Castelo Branco) encontrou no Livro Livre uma oportunidade para celebrar Abril. “Encomendámos 40 livros e abrimos um concurso para crianças e jovens dos 9 aos 15 anos”, explica a bibliotecária Graça Batista. Os livros foram distribuídos gratuitamente pelas crianças da freguesia como forma de as motivar para o concurso. “Só impusemos uma condição: o livro tinha de ser feito a pares, isto é, uma criança e um adulto, que podia ser familiar ou não.” O objectivo, diz, era envolver toda a comunidade e promover a partilha de experiências e o diálogo intergeracional. Os livros foram avaliados por um júri e os dez melhores trabalhos seleccionados. Os respectivos autores foram depois chamados a falar sobre as suas investigações e propostas para o futuro. “O director da escola da freguesia fazia parte do júri e ficou muito interessado nas propostas das crianças para a escola. Eram muito pertinentes e bem fundamentadas.” Graça Batista contou ainda algumas ideias mais ousadas para o futuro em democracia como a de “um menino que desenhou uma escola redonda, sem esquinas para todos se verem, e com muitas janelas”.

A bibliotecária salienta ainda o entusiasmo das crianças na construção dos livros. Diz que todos andavam muito empenhados nas investigações e levavam o trabalho muito a sério. “Nem queriam revelar as fontes! Um menino disse-me que tinha descoberto um senhor na freguesia que fazia parte da Mocidade Portuguesa mas não queria revelar quem era.” Estas e outras histórias vão estar agora disponíveis na Biblioteca de Vila Velha de Ródão, onde os trabalhos das crianças serão expostos. “Vamos também digitalizar alguns trabalhos e inclui-los na nossa biblioteca digital”, diz Graça Batista, uma vez que representam trechos valiosos “da história da comunidade”.

Muitas outras histórias, fotografias e desenhos estão e estarão registados no Livro Livre pela mão das crianças portuguesas. O livro está disponível um pouco por todo o país através das bibliotecas nacionais, mas as escolas têm sido entidades igualmente importantes na sua divulgação e sobretudo no acompanhamento das crianças ao longo da “construção” das histórias.

Diálogo de gerações

Danuta Wojciechowska, uma das caras do Livro Livre, explica que o objectivo é que a construção dos livros continue daqui em diante. “Os 40 anos do 25 de Abril comemoram-se ao longo do ano, não só num dia”, lembra Danuta. A ilustradora explica que o projecto se encontra ainda numa fase “piloto” e que só daqui para a frente será possível avaliar a adesão. Ainda assim, não deixa de destacar a agradável surpresa que teve ao perceber que o livro tem sido uma importante plataforma de diálogo entre os mais pequenos e os mais velhos. “As crianças não se lembram de fazer perguntas aos pais e aos avós sobre estes temas mas, com o livro, têm descoberto coisas que nunca imaginaram”, conta. Para Danuta, o Livro Livre “é a recolha da herança do passado e a visão da cidadania do futuro” em páginas escritas pelos mais pequenos.

Texto editado por Andrea Cunha Freitas
 

   





Sugerir correcção