Almeida Santos: “Fui fundamentalmente um legislador”

Almeida Santos fez dezenas de leis
Foto
Almeida Santos fez dezenas de leis Daniel Rocha

“Fiz dezenas de leis no próprio Conselho de Ministros, eram aprovadas logo ali e publicadas. Posso ter a vaidade de ter sido eu um dos principais artífices. Trazia de Moçambique uma linguagem jurídica e pediram-me para fazer as leis. Dificilmente terá havido um legislador que tenha feito tantas leis e tão rapidamente”, assume com um sorriso, António de Almeida Santos, que é considerado como a figura marcante na produção legislativa que serviu de base à nova sociedade democrática nascida a 25 de Abril.

Falando da sua obra como legislador, Almeida Santos salienta: “A Lei da Nacionalidade [1975] foi uma das mais importantes que fiz. Era tudo português. Mário Soares e Vasco Gonçalves pediram-me lei generosa. Disse: não faço.” E impos uma lei que dava a nacionalidade portuguesa apenas a quem provasse ter ascendência nascida na metrópole até terceira geração.

Outra lei que Almeida Santos destaca é a da unidade sindical/unicidade sindical, do início de 1975. Recorda que, quando da discussão em Conselho de Ministros, depois de “três empates, em três votações” e num momento em que “o país estava à beira da guerra civil”, antes que se fizesse a quarta votação “o coronel Fernandes [José Augusto Fernandes, ministro do Equipamento Social e Ambiente do III e no IV Governos provisórios] pediu a palavra e disse: ‘Estamos à beira da confrontação, vou alterar o meu voto para a unicidade, mas com duas condições: quero uma lei democrática e que seja feita pelo ministro Almeida Santos”. Este conta que tentou escusar-se, “mas todos concordaram” que fosse ele, “incluindo Cunhal”.

Teve “oito dias” para se atirar ao trabalho, onde se orientou pela lei inglesa e pela francesa. “Percebi que se o quórum dos sindicatos fosse alto para se tomar uma decisão [sobre que tipo de sindicalismo] a lei dava mais garantias”, conta Almeida Santos, prosseguindo: “A lei inglesa tinha a quota de 50%, ou seja, 50% mais um dos sindicalizados tinham de votar para a decisão [de só haver uma central] fazer efeito. Fiz a lei assim. Quando o Cunhal, com quem tinha uma boa relação, percebeu, fez um discurso terrível. Eu aleguei que tinha ido ler as leis francesa e inglesa, dois países democráticos.”

O antigo presidente da Assembleia da República reconhece ainda: “As leis de solução do problema colonial foram todas redigidas por mim, à excepção do acordo de Independência de Angola, que foi feito pelos três movimentos independentistas de Angola, eu apenas corrigi.”

Com um brilho de satisfação nos olhos, conta: “A lei da independência de Cabo Verde tive de fazê-la em duas horas. Os soldados portugueses estavam fartos de estar em Cabo Verde, fizeram reunião e mandaram telegrama para o Presidente através do meu gabinete, onde diziam: ou dão a independência no prazo de 5 dias ou nós damos aqui.”

E prossegue: “Fui falar com Costa Gomes, disse que isto era um acto de traição que não sabia resolvê-lo. Ainda admiti demitir-me. Liguei para a Guiné para o Pedro Pires, pedi-lhe para vir a Lisboa com urgência, falei com ele e ele disse: ‘A malta topa.’ Ele veio e, na presença dele, em voz alta, ditei para a secretária o acordo de descolonização. O Pedro Pires concordou. Telefonei para o Presidente, disse-lhe que tínhamos de reunir com o primeiro-ministro, o Mário Soares, o Melo Antunes. E assinarmos, pois se não fizéssemos isso os soldados vinham embora.”

Já no período Constitucional, salienta a legislação que estabilizou a Comunicação Social e reconhece o seu papel como ministro da Justiça. “Quando ministro da Justiça tive de fazer mais que nunca. A maior parte das leis estava desajustada com a Constituição, tive de revê-las, incluindo os Códigos. A reforma da legislação tinha o prazo de um ano e meio. Mudaram as leis de família e das sucessões no Código Civil. Mas fiz isso sem problema, dirigi equipas e não houve polémicas. Tive também de reestruturar o Ministério Público e a magistratura.”

E conclui: “Fui fundamentalmente um legislador, como político. A legislação é o registo da mudança.”