Torne-se perito

Forças ucranianas matam três atacantes pró-russos

Mariupol, um porto com 450 mil habitantes, é a segunda cidade da região de Donetsk, o centro dos recentes motins separatistas.

Kiev lançou uma operação para tentar recuperar as zonas ocupadas por separatistas
Foto
Kiev lançou uma operação para tentar recuperar as zonas ocupadas por separatistas Gleb Garanich/Reuters

Três milicianos pró-russos foram mortos e 13 ficaram feridos num ataque contra uma unidade da guarda nacional ucraniana na cidade Mariupol, no Sudeste da Ucrânia.

Este ataque, na noite de quarta para quinta-feira, acontece poucas horas depois de combatentes pró-russos terem conseguido capturar seis blindados ao Exército ucraniano, com ordens para recuperar as zonas sob controlo de apoiantes de Moscovo.

Desta vez, uns 300 homens atacaram a base da guarda nacional, disparando e lançando cocktails Molotov, mas os guardas ripostaram, apoiados pelo resto das forças do Ministério do Interior ucraniano na cidade.

Segundo o ministro, Arsen Avakov, 63 atacantes foram capturados. As forças ucranianas confiscaram armas e “telefones de operadores russos” aos atacantes. Unidades das forças especiais continuam esta quinta-feira de manhã à procura dos homens em fuga.

Este é o ataque mais mortífero desde o início das acções separatistas nas regiões russófonas da Ucrânia, há dez dias.

Mariupol, um porto com 450 mil habitantes, é a segunda cidade da região de Donetsk, o centro dos recentes motins de grupos pró-russos, que tomaram edifícios governamentais e quartéis da polícia numa dezena de cidades do Leste. Há dez dias que manifestantes ocupam a sede da administração local de Donetsk, onde içaram a bandeira russa e declararam a “república de Donetsk”.

Foi na terça-feira, após mais de uma semana de sublevações, que o novo governo de Kiev lançou uma “operação antiterrorista de larga escala" contra os separatistas. Desde então, trocas de tiros entre as forças especiais ucranianas e os grupos pró-russos já provocaram mortes dos dois lados.

As autoridades ucranianas dizem que nos ataques estão envolvidas forças especiais russas vindas da península da Crimeia, anexada pela Rússia o mês passado, mas Moscovo desmente. "As afirmações das autoridades ucranianas sobre a implicação de forças especiais russas nos acontecimentos do Leste do país parecem paranóia", disse esta quinta-feira o ministro russo da Defesa, Sergueï Choïgou.

O anúncio do assalto impedido contra a base de Mariupol surge horas antes do início de uma reunião em Genebra que vai juntar os chefes da diplomacia da Rússia, da Ucrânia, dos Estados Unidos e da União Europeia e onde estes tentarão pôr em marcha um recuo na escalada da crise ucraniana.

Sugerir correcção