Inquérito a cientistas portugueses mostra que 46,4% querem emigrar ou já emigraram

Questionário na Internet foi respondido por 1820 pessoas. Só cerca de um quinto dos investigadores que responderam já teve um contrato de trabalho.

Quase metade dos inquiridos já esteve desempregado alguma vez na vida
Foto
Quase metade dos inquiridos já esteve desempregado alguma vez na vida Daniel Rocha (arquivo)

O inquérito feito pela Associação de Combate à Precariedade – Precários Inflexíveis (PI) aos investigadores conclui que quase 46,4% dos investigadores que responderam ao questionário tem vontade de emigrar ou já emigrou. Segundo os resultados divulgados nesta quarta-feira, das 1820 pessoas que participaram no inquérito, apenas 22,2% disseram ter tido um contrato de trabalho na área da investigação – portanto, 77,8% nunca tiveram um contrato.

O inquérito dedicado à comunidade científica, que esteve disponível no site dos PI para ser respondido entre 12 de Fevereiro e 11 de Março deste ano, estava aberto a quem quisesse participar. Na altura, a associação lançou o questionário em resposta às declarações de Miguel Seabra, presidente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), numa entrevista dada em Janeiro ao PÚBLICO, na qual descrevia as dificuldades de reunir dados sobre o número de bolseiros a trabalhar em Portugal.

“Este interesse dos actuais decisores políticos em esconder a precariedade no trabalho científico e a emigração que esta provoca merece uma resposta”, lia-se, na altura, no site dos Precários Inflexíveis.

Não é possível saber a proporção de pessoas que responderam em relação ao tamanho da comunidade científica portuguesa. Mas, para se ter algum enquadramento, basta dizer que a FCT deu 1875 bolsas de doutoramento e de pós-doutoramento no concurso de 2012 e no concurso de 2013 concorreram 2305 investigadores só às bolsas de pós-doutoramento.

Ao inquérito, responderam desde professores universitários até técnicos que apoiam a investigação, mestrandos e desempregados. No entanto, os doutorandos (32,7%) e pós-doutorandos (25%) representaram mais de metade da população que respondeu ao inquérito. Todas as áreas do saber estão representadas.

12% dos doutorados desempregados

Dos inquiridos, 900 pessoas já estiveram desempregadas em algum momento das suas vidas, e cerca de metade destas pessoas já estiveram mais de seis meses desempregadas. “Considerando que 715 destas pessoas indicaram nunca ter tido acesso a um contrato de trabalho na área da investigação, inferimos que 79,5% destes investigadores não tiveram acesso a protecção social quando estiveram numa situação de desemprego”, lê-se no relatório.

Entre os investigadores bolseiros que responderam ao inquérito, num total de 1254 pessoas, há 50,2% a acumular bolsas há mais de cinco anos, o equivalente a 630 cientistas. Destes, 200 investigadores têm bolsas há mais de dez anos e 20 são bolseiros há mais de 15 anos.

Dos investigadores que já completaram o doutoramento e não emigraram (660 pessoas), 12% estão desempregados, 59% têm uma bolsa, 28% têm um vínculo laboral e 1% estão a investigar sem receber dinheiro.

Em relação à intenção de emigrar, 33% dos inquiridos responderam que estão a pensar em emigrar, 13,4% já emigraram, 33,1% disseram estar indecisos e apenas 20,4% responderam negativamente. Segundo o inquérito, quem não tem um vínculo laboral, incluem-se aqui os bolseiros, pensa mais em emigrar (39,1%) do que ficar no país (21,5%) em relação a quem tem vínculo laboral. Neste último grupo, 38,8% diz não pensar emigrar, enquanto 30,8% pensa em emigrar e 30,3% está indeciso. “A precariedade associada à condição de bolseiro é um factor decisivo na escolha pela emigração”, lê-se no relatório.

“Os resultados deste inquérito demonstram que a estratégia de desenvolvimento e sustentabilidade do edifício científico desenvolvida nos últimos anos revela grandes fragilidades, tendo sido conseguida à custa da precarização do sector”, lê-se no relatório. “A chamada ‘fuga de cérebros’ é uma realidade grave e um fenómeno já de enorme dimensão.”