Proprietário do Rana Plaza vai ser acusado pelo homicídio de 1135 trabalhadores

Investigação sobre o desabamento de edifício no Bangladesh que alojava fábricas que produziam roupas para grandes marcas ocidentais.

Fotogaleria
Sohel Rana, o proprietário do edifício AFP
Homem com foto de uma das vítimas soterradas no desabamento do edifício
Fotogaleria
Homem com foto de uma das vítimas soterradas no desabamento do edifício Andrew Biraj/REUTERS
Fotogaleria
O Rana Plaza ruiu completamente REUTERS

As autoridades do Bangladesh anunciaram que vão acusar por homicídio o proprietário do edifício do Rana Plaza, o edifício de nove andares onde funcionavam várias fábricas têxteis que trabalhavam para empresas ocidentais e que desabou há um ano, matando 1135 trabalhadores.

As autoridades do Bangladesh anunciaram que vão acusar por homicídio o proprietário do edifício do Rana Plaza, o edifício de nove andares onde funcionavam várias fábricas têxteis que trabalhavam para empresas ocidentais e que desabou há um ano, matando 1135 trabalhadores.

Várias marcas europeias e internacionais de renome, como a Benetton, Mango, a irlandesa  Primark, a americana Walmart, o Carrefour francês ou mesmo a sueca H&M compravam produtos fabricados nestas instalações dos arredores de Daca.

Sohel Rana, proprietário do edifício, está entre as 40 pessoas envolvidas neste processo, o pior acidente industrial alguma vez registado no país, anunciou o investigador principal Bijoy Krishna Kar à agência francesa AFP.

“Pretendemos que seja imposta a acusação de homicídio a Sohel Rana e aos restantes 39 réus”, disse Kar, acrescentando que esta acusação é punível com a pena de morte. As acusações devem ser endossadas pelo tribunal.

Rana foi preso poucos dias após o desastre de 24 de Abril de 2013, a poucos quilómetros da fronteira com a Índia, no Oeste do país, enquanto tentava fugir.

Rana, um membro da Liga Awami (Partido de centro-esquerda do Bangladesh), tornou-se o inimigo público número um após o colapso do edifício de nove andares. Os sobreviventes da tragédia relataram que Rana, algumas horas antes do acidente, forçou milhares de funcionários a continuarem a trabalhar, apesar dos avisos dos funcionários que alertaram para as notórias fendas nas paredes.

O pai de Rana, co- proprietário do prédio, e cinco outros líderes de fábricas têxteis que operavam no edifício, também foram acusados de ignorar os avisos dos seus funcionários.

Segundo os investigadores, engenheiros e inspectores deram luz verde para o uso da propriedade sem a terem inspeccionado correctamente, e por consequência serão também acusados.

Entre os arguidos há um espanhol, David Mayor, que não encontrava no Bangladesh no momento em que a tragédia ocorreu e que, para evitar a prisão, nunca mais retornou ao local , disse o chefe da investigação, Habibur Rahman.

Rahman anunciou ainda que a investigação já se encontra “substancialmente concluída”. As autoridades queriam terminar a investigação no “primeiro aniversário da tragédia, em 24 de Abril”. Contudo, o investigador não adivinha tarefa nada fácil, já que “o processo é gigantesco”. No entanto, mostra-se confiante e espera “solicitar as acusações já no próximo mês”.

Ao longo do processo foram investigadas entre 900 a 1000 pessoas, incluindo sobreviventes e testemunhas do desastre. Existem “provas irrefutáveis ?da irresponsabilidade e ganância” dos proprietários do edifício, disseram as testemunhas.

Após a queda do Rana Plaza, foram inspeccionadas 1500 fábricas de têxteis financiadas por cadeias de vestuário, atentando evitar novas tragédias. Várias fábricas foram mesmo encerradas desde então.

O Bangladesh é o segundo maior exportador de vestuário do mundo: o sector têxtil representa cerca de 80% das exportações anuais, no valor de 27 mil milhões de dólares e emprega quatro milhões de pessoas, a maioria mulheres.