Humilhou vizinhos durante 15 anos e acabou a exibir cartaz à beira da estrada

Homem condenado no Ohio por atentar contra família vizinha, com crianças deficientes.

Fotogaleria
Aaron Josefczyk/Reuters
Fotogaleria
Aaron Josefczyk/Reuters
Fotogaleria
Aaron Josefczyk/Reuters

Durante 15 anos, Edmond Aviv, 62 anos, humilhou de forma agressiva a sua vizinha e os filhos deficientes em South Euclid, no estado norte-americano de Ohio. As reacções extremas de Aviv levaram a família a apresentar uma queixa e o caso chegou a tribunal.

Sandra Prugh vive na casa ao lado da de Edmond Aviv com os seus dois filhos adoptivos, ambos com problemas de desenvolvimento, paralisia cerebral e epilepsia, o seu marido demente e um filho biológico que tem uma paralisia.

Segundo registos do tribunal, Aviv implicou com a família ao longo de 15 anos. Numa das situações mais recentes contadas por Prugh numa carta enviada ao tribunal, Aviv manifestou-se incomodado com o cheiro que vinha da ventilação da máquina de secar roupa da vizinha. Em resposta, o homem colocou querosene numa ventoinha e ligou-a na direcção da casa de Prugh.<_o3a_p>

Em outras ocasiões, a queixosa conta que o vizinho a agrediu verbalmente com comentários racistas; quando Prugh segurava um dos seus filhos, um jovem negro, cuspiu na sua direcção várias vezes; e atirou fezes de cão aos vidros do carro do filho de Prugh e à rampa para cadeiras de rodas de acesso à casa. A mulher disse ao tribunal que receia pela segurança da família.

Ouvidos os testemunhos da família Prugh e os de Aviv, o tribunal condenou o sexagenário a uma pena de prisão de 15 dias, a assistir a aulas de aconselhamento e a escrever uma carta com um pedido de desculpas aos vizinhos. Além disso ficou obrigado a mostrar um cartaz durante cinco horas à beira de um cruzamento em South Euclid.<_o3a_p>

Na manhã deste domingo, entre buzinadelas de carros que passaram, pessoas que pararam para o fotografar e outras que o questionaram sobre o que se passava, Aviv sentou-se numa cadeira de plástico e segurou um cartaz. “Sou um ‘bully’. Implico com crianças deficientes e sou intolerante aos que são diferentes de mim. As minhas acções não reflectem a posição da comunidade de South Euclid, onde vivo”, lia-se.