A melhor ilustradora para a infância com menos de 35 anos é portuguesa

Catarina Sobral tem 28 anos, começou a trabalhar como designer, mas cedo percebeu que gostava mais de ilustrar histórias. Para crianças ou não. E acredita: “Todos os meus livros são para todas as idades”

dr
Fotogaleria

O mais importante palco de negócio da edição de livros para crianças e jovens escolheu dar 21 mil euros à portuguesa Catarina Sobral pelo seu trabalho O Meu Avô (Orfeu Negro). O prémio inclui ainda ter o livro publicado pela Fundácion SM, uma editora espanhola com grande projecção no Brasil, Chile, Colômbia e Peru.

A ilustradora, que também assina o texto do livro, foi a única portuguesa seleccionada este ano para a principal exposição que acompanhou a Feira do Livro Infantil de Bolonha, que decorreu no final de Março e deu a conhecer 41 jovens artistas (com menos de 35 anos) de todo o mundo. Entre estes, Catarina Sobral foi considerada a melhor.

O júri – Roger Mello (Brasil), Sophie van der Linden (França) e Pablo Núñez (Espanha) – elogiou em O Meu Avô “um domínio claro da composição, uma grande maturidade e uma forte identidade”, valorizou também “a referência à tradição gráfica dos anos 1950, com uma interpretação contemporânea”.

“Não podia estar mais feliz”, disse ao PÚBLICO Catarina Sobral, que tem 28 anos, sorri bastante, estudou Design na Universidade de Aveiro e Ilustração na Escola Superior de Educação e Ciências, em Lisboa, onde fez um mestrado em parceria com a Universidade de Évora. Foi durante esta última formação que criou os seus dois anteriores livros: Greve e Achimpa. “Foram processos experimentais”, conta, explicando as diferentes técnicas para cada obra: “Colagens e monotipia no Greve; tinta de óleo, lápis de cera e lápis normal no Achimpa.”

Para o livro distinguido em Bolonha, usou um processo parecido com a serigrafia, com as cores separadas. “Foi todo feito em tinta acrílica sobre acetatos, que depois é raspada. Como é impresso em cores directas, aquilo que é preto no acetato sai, na gráfica, uma vez a verde, outra a vermelho, a rosa ou a amarelo. Depois, sobrepostos, criam aquele quadro preto.”

No tempo em que havia tempo

Que livro é este? “É um livro sobre o tempo. Duas personagens que vivem tempos muito diferentes. Um deles é o avô do narrador e o outro é o vizinho desse avô. A maneira como o neto descreve as actividades quotidianas do avô é sempre reforçada pelo contraste com uma outra personagem, o Dr. Sebastião.” Sobre este último não há informação verbal das actividades quotidianas, “mas o narrador visual descreve-as por comparação e por antítese através de ilustrações de página simples”.

“O livro não pretende ser moralista, não tem qualquer juízo de valor. No fundo, é uma descrição dos tempos modernos e uma apologia dos tempos em que havia um pouco mais de tempo”, explica a ilustradora, filha de dois professores de Matemática e irmã mais nova de uma designer.

Luís Mendonça, professor na Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto e na Escola Superior de Artes e Design de Matosinhos, salienta neste livro “as sugestões, as citações que Catarina Sobral faz, quer no texto quer na ilustração, à pintura, à literatura, ampliando ligações, trazendo novas leituras e aumentando os desafios ao leitor”.

O adulto conseguirá identificar referências a Almada Negreiros, Fernando Pessoa, Jacques Tati, Édouard Manet e Andy Warhol. As crianças, não. Pelo menos por enquanto.

O professor, que é também editor (Edições Eterogémeas), diz que o trabalho da ilustradora “revela estudo e atenção à ilustração contemporânea, investindo de forma empenhada, bebendo referências, explorando estratégias plásticas e literárias. Estes destaques e as novas experiências conformarão responsabilidades cada vez maiores...”.

Sobre a busca da técnica apropriada para o que se quer exprimir, comenta: “Se entendermos a técnica um pouco como a voz, pensando no ‘estilo’ desta ou daquela pessoa, parece-me natural que ela mude, por um lado, e, por outro, que se mantenha. Há uma idade em que se muda de voz várias vezes, em que nos ajustamos às diferenças. A sonoridade, a colocação, a projecção da voz fazem parte de um trabalho natural. Não é certo nem errado, não é melhor nem pior, é simplesmente natural. É certo que a voz influencia o que se diz e como se diz, mas não é seguramente o mais importante, o importante é o que dizemos, como o dizemos, para quem o dizemos. E o trabalho do ilustrador não começa nem acaba na voz, quer dizer, na técnica.” 

Explica Catarina Sobral, com simpatia e entusiasmo: “Embora tanto o Greve como o Achimpa sejam sobre palavras, a ideia de greve pedia uma linguagem mais relacionada com a arte gráfica do século XX, os cartazes comunistas, o construtivismo russo, mesmo as cores são parecidas: o vermelho, o preto, numa estrutura plana. Quis remeter para uma altura em que havia mais lutas proletárias, para estar de acordo com o tema.” Por isso, reconhece-se nesta obra uma certa estética política.

“O Achimpa”, prossegue a autora, “é cómico, há uma certa ironia pela rápida adopção, do ponto de vista dos especialistas, de uma palavra desconhecida, então eu quis usar uma linguagem mais leve e descontraída.” Aqui, a opção foi a de “fazer um travelling urbano, porque a palavra vai passando de boca em boca”. Em relação a O Meu Avô, o objectivo foi mesmo o “de remeter para os anos 1950”.

O trabalho invisível do editor

“Quando o Greve chegou à editora, para mim, ainda não era um livro, era um projecto”, conta Carla Oliveira, responsável pela Orfeu Negro. “A Catarina enviou-nos um email e eu reenviei-o para o nosso designer, Rui Silva, e para um ilustrador amigo com quem trocámos ideias. Ninguém me respondeu durante dois meses.” O assunto ficou esquecido. “Um dia, recebo um email do Rui Silva com um link para o site da Catarina para que eu visse as imagens do Greve.”

Carla Oliveira recorda agora divertida como na altura ficou “irritada”, mas logo marcou reunião com o designer e a ilustradora para verem os originais. Seguiu-se todo o trabalho invisível que é próprio dos editores e directores de arte competentes na orientação dos novos autores. “Passou quase um ano entre essa reunião e a publicação do livro”, diz a editora. “Foi o primeiro livro que fizemos nestes termos, um trabalho em conjunto muito interessante.”

Com o Achimpa, o processo foi muito diferente. “Quando nos foi apresentado, era um livro feito”, diz Carla Oliveira. “A dificuldade do Achimpa foi fotografar com qualidade as texturas que ela tinha dos próprios graffiti.” Houve pouca discussão, mas uma alteração importante: “No meio do livro, há uma página dupla onde se representam livrarias conhecidas. A escolha era muito local, digamos assim. Eram alfarrabistas do Porto e outros de que a Catarina gostava. Quisemos torná-la internacional. Fizemos uma pesquisa e ela desenhou livrarias de outros países.”

Com O Meu Avô, o projecto também já chegou muito acabado, “mas ainda se trabalhou um bocadinho a nível de direcção de arte, a nível de texto e da própria reorganização da história”. Palavras da editora: “Andámos a fazer puzzles, com as folhas no chão, e depois a dizer: ‘Esta parte do texto fica melhor aqui. Ai, mas não pode ser porque repete a cor. Então, vamos pôr estas mais para o fim.’ Andámos assim nos últimos dias, até o livro ir para a gráfica.”

Do trabalho e convívio com a ilustradora, sublinha: “Ela aceita muito bem as propostas. Com a Catarina, é sempre muito fácil debater, discutir, escolher. Ela faz melhorias, arranja uma solução. Talvez seja esse um dos segredos do nosso trabalho. E foi muito bom ver a evolução rapidíssima da Catarina. Às vezes, digo-lhe: ‘Pára lá de receber prémios.’”

Greve foi Menção Especial no Prémio Nacional de Ilustração 2012, Achimpa venceu o Prémio de Melhor Ilustração para Livro Infantil do Festival da Amadora 2013 e o Prémio Autor da Sociedade Portuguesa de Autores na categoria de Melhor Livro Infanto-Juvenil no mesmo ano.

Agora, com O Meu Avô, diz a editora, “foi o reconhecimento internacional dos pares”. E, bem-disposta, completa: “E até dos ímpares...”

Ilustrar os outros

Pela primeira vez, Catarina Sobral está a ilustrar textos de outros autores, de Javier Solino (Kalandraka) e de Tatiana Belinky (Editora 34, brasileira). “É um trabalho diferente, porque não concebemos de início. Podemos conceber o formato, discutir o número de páginas, como se distribui texto. Mas a ideia inicial, inicial, não é nossa e então acaba por ser um livro que, por mais que a ilustração tenha um grande predomínio, é sempre muito menos nosso do que um livro em que sejamos nós a escrever.”

Neste novo exercício de ilustrar, tenta que as imagens “dêem uma outra leitura ao texto”. “Tento não ser literal, quero que a ilustração tenha bastante cunho pessoal.” Quando assina texto e imagem, o que surge inicialmente é a ideia. “Para a estruturar, escrevo o texto todo primeiro. Mas quando estou a escrever o texto já estou a decidir o que desenhar. É uma concepção paralela, mas o esqueleto começa pelo texto”, explica.

O sucesso não lhe trouxe receio, antes confiança. “À medida que vou desbravando caminho, vou começando a acreditar mais no meu trabalho. E ao ter o reconhecimento de pessoas tão importantes como os jurados da Feira de Bolonha e da SM, fico cada vez mais convencida de que todo o meu investimento e toda a pesquisa que faço valem a pena. Sinto que é verdade, que estou a conseguir passar isso com uma maior consciência das várias coisas que compõem o desenho, que estou a dominar cada vez mais a cor, a composição, a estrutura narrativa. Sinto-me mais confiante.”

O próximo livro da sua autoria já está pronto e será lançado na Feira do Livro de Lisboa. Chama-se Vazio, é só de imagens e foi editado pela Pato Lógico.

Afinal, o que é um bom livro ilustrado? O professor e editor Luís Mendonça responde: “Um bom livro ilustrado estimula perceptiva e intelectualmente o leitor, sem conivência com a preguiça. Requer uma ilustração atraente mas sem cosmética, agradável mas opinativa e não subserviente ao texto, que favoreça a experiência literária e visual do leitor, ultrapassando o seu público-alvo. Um bom livro ilustrado respeita o leitor: respeitar é desafiar, é enriquecer a interpretação, é apelar aos sentidos, à visão, ao tacto. O que é essencial num livro ilustrado é a orquestração do todo em si mesma, a relação entre texto, ilustração, design, qualidade dos materiais e da impressão.” É o que Catarina Sobral vai tentar continuar a fazer.