Genocídio de 1994 azeda relações entre a França e o Ruanda

Governo declarou embaixador francês persona non grata nas cerimónias.

Fotogaleria
Em três meses, entre Abril e Julho de 1994, 800 mil pessoas foram mortas no Ruanda George Mulala/REUTERS
Fotogaleria
Corinne Dufka/REUTERS
Fotogaleria
Mark Dodd/REUTERS
Fotogaleria
Corinne Dufka/REUTERS
Fotogaleria
PASCAL GUYOT/AFP
Fotogaleria
REUTERS
Fotogaleria
SIMON MAINA/AFP
Fotogaleria
Corinne Dufka/REUTERS
Fotogaleria
ULLI MICHEL/REUTERS
Fotogaleria
ULLI MICHEL/REUTERS
Fotogaleria
CORINNE DUFKA/REUTERS
Fotogaleria
Mannie Garcia/REUTERS
Fotogaleria
Corinne Dufka/REUTERS
Fotogaleria
REUTERS
Fotogaleria
REUTERS
Fotogaleria
PASCAL GUYOT/AFP
Fotogaleria
PHIL MOORE/AFP
Fotogaleria
Jack Dabaghian/REUTERS
Fotogaleria
REUTERS
Fotogaleria
Corinne Dufka/REUTERS
Fotogaleria
Corinne Dufka/REUTERS
Fotogaleria
John Parkin/REUTERS
Fotogaleria
CORINNE DUFKA/REUTERS
Fotogaleria
Peter Andrews/REUTERS
Fotogaleria
John Parkin/REUTERS

O verniz estalou. A França anulou a deslocação da sua ministra da Justiça ao Ruanda, para a cerimónia de evocação do genocídio de 1994, depois de o Presidente do país africano, Paul Kagame, ter acusado as autoridades de Paris e a Bélgica, antiga potência colonial, de participação nos massacres em que, há 20 anos, entre Abril e Julho, foram mortas cerca de 800 mil pessoas.

Numa entrevista publicada este domingo na revista Jeune Afrique – exactamente 20 anos após o derrube por um míssil do avião do então Presidente ruandês, o hutu Juvenal Habyarimana, a que se seguiu o início do genocídio – Kagame denunciou o “papel directo” dos dois países europeus na “preparação política do genocídio”. No caso da França foi mais longe, acusou-a de ter participado na sua “execução”.

Paul Kagame, à época líder dos rebeldes da Frente Patriótica Ruandesa, maioritariamente tutsis, acusou também soldados franceses participantes na operação militar-humanitária Turquoise, desencadeada em Junho de 1994, sob mandato das Nações Unidas, no Sul, de terem sido “cúmplices” e “actores” de massacres.

A entrevista confirma o que se sabia, que o apaziguamento entre os dois países e a reconciliação de 2010 – quando o então Presidente francês, Nicolas Sarkozy, reconheceu “graves erros de apreciação” em 1994 – era apenas aparente. E que o genocídio de tutsis, mas também de hutus moderados, continua a envenenar as relações bilaterais.

O incidente é uma espécie de repetição do que aconteceu há dez anos, quando, na cerimónia oficial, em Kigali, Kagame atribuiu a Paris a “audácia de não pedir desculpa” e a delegação francesa encurtou a permanência no Ruanda. Já depois disso, o dirigente africano aludiu, em várias outras ocasiões, ao suposto envolvimento da França.

Na sequência das declarações do dirigente africano, a França cancelou a deslocação a Kigali da ministra da Justiça, Christiane Taubira, e disse que as palavras de Kagame surgem “em contradição com o processo de diálogo e de reconciliação”. Paris informou que se faria representar pelo seu embaixador em Kigali, mas o Governo ruandês declarou-o persona non grata nas cerimónias. “O Ministério dos Negócios Estrangeiros telefonou-me à noite para me dizer que eu já não tinha acreditação”, explicou à AFP o embaixador Michel Flesch. “Quando perguntei se podia ir ao memorial de Gisozi para colocar uma coroa de flores responderam-me que não”. 

O ministro dos Negócios Estrangeiros da época, Alain Juppé, denunciou uma “falsificação histórica” e apelou ao Presidente, François Hollande, para “defender a honra da França”. Juppé considera que “a comunidade internacional falhou, é um facto”, porque foi “incapaz e prevenir e travar o genocídio” mas – acrescentou – “a comunidade internacional não é apenas a França”.

Já depois da reacção francesa, a ministra dos Negócios Estrangeiros do Ruanda, Louise Mushikiwabo, fez um sublinhado às declarações do seu Presidente. A França, que apoiava o regime em 1994, deve “olhar a verdade de frente”, disse.

A Bélgica manteve os planos iniciais, apesar de ter marcado a distância para com as autoridades de Kigali. O ministro dos Negócios Estrangeiros, Didier Reynders, invocou à televisão RTBF as conclusões de um inquérito belga que atribuiu a preparação do genocídio a “grupos extremistas ruandeses” e confirmou que estará em Kigali para “lembrar a memória das vítimas e das suas famílias” e não para “prestar homenagem ao actual Governo”. Com ele viajaram familiares de 22 vítimas belgas – dez paraquedistas mortos a 7 de Abril de 1994 juntamente com Agather Uwilingiyimana, o primeiro-ministro ruandês que protegiam, e 12 civis.

Mistério por esclarecer
Duas décadas depois está por esclarecer quem disparou o míssil que derrubou o Falcon 50 que o Presidente francês, François Mitterrand, oferecera Habyarimana, e em que também morreu Cyprien Ntaryamira, Presidente do Burundi. Sabe-se apenas que foi a queda do avião e a morte do chefe de Estado que precipitou um genocídio antecedido por semanas de propaganda assente no ódio.

As investigações em França têm, como explicava no sábado o diário Le Monde, explorado diferentes hipóteses de autoria da queda do avião: dos então rebeldes de Kagame, em plena ofensiva contra o governo; a extremistas hutu, descontentes com disponibilidade de Habyarimana para partilhar o poder com os tutsis.

Após 6 de Abril de 1994 sucederam-se meses de violência sem limites. “A escala de brutalidade do Ruanda continua a chocar: uma média de 10.000 mortos por dia, todos os dias, durante três meses”, recordou, citado pela AFP, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, que estará em Kigali.

A discussão sobre responsabilidades e as querelas político-diplomáticas podem ofuscar a homenagem às vítimas de um genocídio cujo impacto, como disse Ban, continua a fazer-se sentir “na região dos Grandes Lagos e na consciência colectiva da comunidade internacional”.

Os 20 anos do genocídio passam numa altura em que se torna evidente o progressivo distanciamento entre diversos países ocidentais e as autoridades de Kigali. Como assinala a AFP, o Ruanda beneficiou durante muito tempo do sentimento de culpa internacional pela passividade perante a mortandade, mas esse capital de condescendência parece esgotado. Há meses que mesmo aliados próximos, como os EUA, acusam o governo africano pela desestabilização da República Democrática do Congo e de implicação no assassínio, ou em tentativas de assassínio, de dissidentes no exterior. Para além de lhe apontarem a falta de democracia interna.

Esta segunda-feira, Kagame acenderá uma chama no memorial de Gisozi, em Kigali, com uma tocha que percorreu o Ruanda nos últimos três meses. Fará também um discurso num estádio da capital. O luto oficial prolonga-se até 4 de Julho, o “dia da libertação”, quando a Frente Patriótica pôs fim ao genocídio, ocorrido apesar da presença no país de 2500 capacetes azuis.