Trânsito cortado na Ribeira das Naus em Lisboa por tempo indeterminado

Automobilistas terão de usar as ruas do Arsenal e da Alfândega para circular entre o Cais do Sodré e o Terreiro do Paço. Passageiros da Carris também vão ser afectados. A reabertura da zona em obras não tem data marcada.

Fotogaleria
As obras na Ribeira das Naus João Cordeiro
Fotogaleria
João Cordeiro
Fotogaleria
João Cordeiro
Fotogaleria
João Cordeiro
Fotogaleria
Automobilistas têm conseguido passar na Ribeira das Naus durantes as obras mas agora terão de encontrar alternativa Rui Gaudêncio

O trânsito na Avenida Ribeira das Naus, em Lisboa, vai estar cortado a partir desta sexta-feira e por tempo indeterminado. A autarquia explica que o corte da circulação é necessário para concluir a segunda fase da requalificação daquela zona ribeirinha, que começou há cerca de um ano e já deveria estar pronta desde o final do ano passado.

Segundo uma nota da Carris, devido a "obras de reparação de pavimento" a avenida vai estar encerrada à circulação automóvel a partir das 10h30. "Simultaneamente, e por decisão da Câmara Municipal de Lisboa, a Travessa do Corpo Santo estará também encerrada ao trânsito", lê-se no documento. Em alternativa, o trânsito vai ser desviado para as ruas da Alfândega e do Arsenal, no topo norte da Praça do Comércio, paralelas à Avenida Ribeira das Naus.

Devido a estes condicionamentos, a carreira 25E da Carris vai funcionar apenas entre Santos e Campo de Ourique com autocarro; a carreira 714 altera o percurso entre Santos e Corpo Santo (só neste sentido), passando a circular pela Avenida 24 de Julho e o Cais do Sodré; o serviço nocturno e de fim-de-semana da carreira 744 funcionará apenas entre Santos e a Rua Gomes Freire; e as carreiras 728, 735, 759, 794, 206 e 210 não param na Alfândega, na Avenida Infante D. Henrique, no sentido da Praça do Comércio. A Carris prevê congestionamentos, com maiores tempos de espera ou de viagem, em todo o trajecto das carreiras que circulam naquela zona da cidade.

Em comunicado, a Câmara de Lisboa apela à “compreensão de todos” e aconselha a que seja utilizadas alternativas. Só não diz por quanto tempo. A nota não revela quando é que o trânsito reabre e a assessora de imprensa da câmara, Luísa Botinas, também não esclarece, dizendo apenas que "os trabalhos estão em fase de conclusão e estarão prontos logo que possível".

Na semana passada, o vereador com o pelouro do Urbanismo, Manuel Salgado, disse que as obras estariam concluídas “nas próximas semanas”, sem adiantar uma data.

As obras de requalificação foram divididas em duas fases. A primeira ficou concluída em Março do ano passado, permitindo a peões e ciclistas usufruir de um novo passeio e de uma rampa à beira Tejo, que evoca a praia que existiu no local. Nos dias de sol, já é habitual encontrar dezenas de pessoas deitadas na rampa à beira-rio – ou mesmo a tomar banho no Tejo. A zona requalificada foi inaugurada a 23 de Março pelo presidente da câmara, António Costa, que na altura se mostrou satisfeito por ficar finalmente restabelecido “com dignidade” o percurso entre o Cais do Sodré e o Terreiro do Paço.

Mas o pavimento recém-inaugurado não tardou a abater: um dia depois depois eram já visíveis buracos e rebaixamentos causados pela passagem de automóveis, pedras soltas e passadeiras com a tinta quase apagada. António Costa garantiu então que o empreiteiro assumiu a responsabilidade e iria reparar os buracos, o que aconteceu. Mas este Inverno voltou a deixar marcas no piso (ali como noutras zonas da cidade), que apareceu esburacado.

As obras da segunda fase começaram a 25 de Março e deveriam ter ficado prontas até ao final do ano – embora fonte da autarquia tenha dito à Lusa, nessa ocasião, que os trabalhos poderiam ficar prontos no Verão, antes das eleições autárquicas. Porém, o prazo foi derrapando.

A empreitada inclui escavações arqueológicas para repor a antiga Doca da Caldeirinha e a Doca Seca, onde eram antigamente recuperadas as naus utilizadas na época dos Descobrimentos. Prevê ainda a criação de uma área ajardinada que vai recriar as antigas rampas de varadouro. A autarquia está também a estudar a construção de um Museu dos Descobrimentos no local, segundo declarações recentes do vereador Manuel Salgado.

A requalificação da Ribeira das Naus era uma das obras a cargo da Sociedade Frente Tejo, criada pelo Governo socialista de José Sócrates para requalificar a frente ribeirinha de Lisboa. No entanto, a sociedade foi extinta antes de avançar com os trabalhos, que passaram para a alçada do município. Segundo os valores divulgados pela autarquia, o encargo ronda os dez milhões de euros, dos quais 6,5 milhões são fundos comunitários.

Notícia actualizada às 18h: acrescenta informação sobre os condicionamentos das carreiras da Carris

Sugerir correcção